Por André Delacerda

Regina Só Ipanema é uma das plataformas de lançamento de tendências, modas, e cultura para o Brasil. É a praia das mais famosas musas cariocas. Passa ano e sai ano, e sempre surge uma nova musa.

As musas das areias de Ipanema foram imortalizadas por suas atitudes como Leila Diniz; e em belas canções como “Garota de Ipanema” – jovem musa Helô Pinheiro -, transformada em canção e poesia por Tom e Vinicius.

E para surpresa de todos, Ipanema ganha uma nova musa. Dona de uma voz única, Regina Só, entra para o hall das musas da praia.

Poderíamos dizer que Regina é um dos raios de sol personificados na figura de mulher. Ela é batalhadora, guerreira, filósofa, humanista e tem muito amor pela música.

Regina transmite a quem está nas areias de Ipanema, muito carisma, simpatia e verdade. Com sua voz, sorriso e alegria, ela irradia energia a todos que a conhecem.

Regina Só, concedeu ao Diário do Rio, uma descontraída entrevista na sua barraca de praia em Ipanema, próximo ao Hotel Ceasar Park. Também tivemos o prazer de conversar com seus produtores, que assim como nós, são encantados por ela. Evocamos aqui a lenda das sereias, que a todos encantam com sua voz, para definir o que Regina é capaz de fazer.

Esta entrevista será intercalada com repostas de Regina Só e César Germano, um dos seus produtores, que atua com teatro e iluminação há 15 anos.

Regina3 Diário do Rio – Quem é Regina Só? Como veio parar na Praia?

Regina Só – Eu nasci em Ubá, Minas Gerais, mas vim para o Rio com um ano e meio. Então, na verdade sou uma carioca. Eu trabalho desde cedo. Já vendi bala, para ajudar minha mãe, e aos 16 anos trabalhando numa fabrica de costura me deu uma louca e resolvi vir trabalhar na praia. Percorria a praia do Arpoador ao Leblon vendendo água, coca-cola e etc. Depois comecei a trabalhar numa barraca na Farme. Meu sonho era ser cantora, e também ter a minha barraca. Então trabalhava duro para poder um dia gravar meu Cd. Foi quando conheci um amigo americano, que sempre guardava seus pertences comigo. Ele me ajudou a ter meu próprio negócio. Assim me tornei empreendedora e trabalhei mais e mais para ser uma cantora. Todo dinheiro que juntava, eu guardava e foi o que ocorreu após 5 anos, consegui, gravar meu Cd, alugar o Teatro Ipanema e fazer o Show. Tudo isso, com meu trabalho na praia.

Diário do Rio – Como é trabalhar na praia e cantar? Você deve encantar seus clientes com sua simpatia e voz.

Cesar Germano – Essa pergunta eu posso responder pela Regina. Regina dizia uma frase na praia, enquanto andava pelas areias de Ipanema, logo quando eu a conheci, há uns 10 anos atrás. “Coca-cola, cerveja, biscoito globo e mate”, soava tão bonito na voz dela. Eu comentava com todos “essa moça tem uma voz tão bonita”. Foi então que passei a freqüentar a barraca que ela trabalhava só por causa dessa simpatia e linda voz. O que me mais me encanta é que ela é uma pessoa que conversa coisas boas, como cultura, arte, e acima de tudo tem carisma. Regina é uma pessoa bem informada, tem um diferencial. Ela tem o humor do carioca na veia.

Diário do Rio – Como começou seu interesse pela música? E quando começou a cantar?

Regina Só – Eu sempre gostei de cantar desde criança, cantava na escola, para os amigos. Meu sonho sempre foi ser cantora. Eu canto em todo lugar.

regina1 Diário do Rio – Você tem a praia como seu escritório. Como esse ambiente praiano carioca lhe inspira na composição de suas músicas?

Regina Só – Me instalei há 7 anos neste pedaço da praia, aqui próximo ao Caesar Park. Certamente, a praia inspira meu trabalho, pois ninguém está só. Tudo é um conjunto, eu me inspiro nas pessoas, na praia, em todos. Eu gosto de está na praia para encontrar as pessoas, passar uma energia boa, alto astral, tentar passar auto-estima para o cliente, mesmo em horas difíceis para mim, eu sempre estou disposta. E é essa a minha inspiração

Cesar Germano– No início, quando Regina me apresentou suas músicas, eram meio melancólicas. Mas depois ela me chamou, e me disse que tinha feito novas músicas com muito reggae, blues, pop, músicas com alto astral. Bem a cara da Regina, e do Rio.

Diário do Rio – Você está preparando um novo CD?

Regina Só – O 2º Cd justamente é inspirado na praia, no dia-a-dia da praia, é de uma linguagem fácil, mas com qualidade. Tenho até em mente alguns nomes. Poderia ser: Vento Leste, pois ele traz coisas boas. Ou Tempo Bom.

Diário do Rio – Qual o som que você mais gosta?

Regina Só – Todos os sons. Reggae, pop. Quanto mais se escuta música, você mais absorve. O músico tem que ter uma visão aberta.

Cesar Germano – Regina tem uma voz única, é espontânea, não é imitação de outras. Isso é um diferencial.

Diário do Rio – Conte-nos como foi a experiência de alugar um teatro?

Regina Só – Show no teatro, eu nem esperava tanta receptividade. Foi algo simples, mas que superou a expectativa. (Regina se emociona ao falar). O Teatro lotou, foi um show entre amigos. Foi fruto do meu trabalho na praia, um sonho que se concretizou com muito trabalho.

Diário do Rio – E a Regina ao vivo tem muita diferença, do escutado no CD?

Regina Só – CD e ao vivo são totalmente diferentes. O ao vivo é bem a cara da Regina. Que não pode ser triste. (ela dar um longo sorriso). Ao vivo é bem carioca. Não que tenha que ser alegre todo dia, mas também não pode ser triste. O grande barato como diz Tim Maia “É ser diferente”. Eu não quero cantar tristeza.

Cesar Germano – Regina ao vivo é um show a parte. No Rio Rock Blues, ela fez um show com a mesma simpatia da areia, no palco. Ela tem um jeito todo especial de dançar, é espontâneo. Parece hipnotizar com seus gestos, dança. Ela tem um modo todo teatral, mas sem ninguém ter nunca orientado sobre isso. É uma artista feita.

Diário do Rio – Qual música você destaca no seu repertório?

Regina Só – Dia de Maracá, é uma delas. Todo mundo tem um sonho de ir ao Maracanã, torcer para a vitória do seu time. É algo bem carioca. Eu diria que esta música é um hino ao Maracá.

Cesar Germano – Destaco Pertinho do Céu, Baixada e Cidade. Recomendo ouvir o CD da última para a primeira faixa. É uma ordem interessante

Diário do Rio – E para quem quiser ouvir a Regina Só, além dos shows e da praia. Onde pode encontrar sua música?

Cesar Germano – No Oi Novo Som. Página da Oi que incentiva artistas novos. Nela você encontra a banda, o perfil, musicas, agenda de show e vídeos. A Regina Só, em menos de 10 dias no Oi Novo Som, teve a visita de mais de 1978 pessoas. Então é só acessar e conferir.

Diário do Rio – Quando vamos poder ouvir a Regina Só em um show? Já tem uma data?

Regina Só – Quem quiser me ouvir pode vir aqui na minha barraca na Praia de Ipanema. No dia 01/12/08, uma segunda-feira; estarei fazendo uma participação na Hebe, às 20h, no SBT. Também estou com um show programado para a Lona Cultural da Maré no próximo mês de Dezembro/2008.

Regina deixou uma mensagem e canção toda especial para os leitores do Diário do Rio, para todo o público carioca, que pode ser vista neste vídeo logo abaixo.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui