Foto: Divulgação

Lançado oficialmente na manhã desta quinta-feira (16/01) no auditório da Caixa Econômica Federal, no Centro da capital, o Plano Estratégico da Secretaria de Estado de Polícia Militar do Rio de Janeiro passará a orientar as ações da Corporação nos próximos quatro anos. Um dos principais focos previstos no plano é de que a PM do Rio transforme-se em referência em polícia de proximidade, orientada pela gestão e solução de problemas.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

O plano reflete o pensamento e os anseios da nossa tropa. Gestores de todas as áreas, estratégicas e táticas, contribuíram para produção do conteúdo desse documento que poderia ser definido como o farol da Corporação nos próximos quatro anos – explica o secretário de Polícia Militar, Comandante Geral Rogério Figueredo de Lacerda, após o lançamento do plano.

O subsecretário geral da PM, coronel Márcio Pereira Basílio, também ressaltou a importância da participação de gestores da Corporação na produção do documento. Ele lembrou que nos últimos 20 anos a Polícia Militar do Rio recorreu a consultorias externas para elaborar planos estratégicos e os resultados não atenderam às expectativas. 

Durante o evento, o coronel Max Willian, coordenador da Coordenadoria de Assuntos Estratégicos da SEPM, fez uma explanação sobre como o conteúdo foi desenvolvido, sobre as ferramentas que serão aplicadas no monitoramento das ações e sobre os eixos centrais contidos no plano.

Com base na definição de missão, visão e valores da Polícia Militar, o plano estabeleceu oito objetivos estratégicos, que se desdobraram em 54 iniciativas e 161 metas a serem alcançadas entre 2020 e 2024. A missão foi definida como a razão da existência da Corporação; a visão onde a Corporação quer chegar; e os valores são os princípios inegociáveis. Eis a definição de cada um desses conceitos registrada no documento:

Missão 

Melhorar a qualidade de vida no Estado do Rio de Janeiro, através da preservação da ordem pública e da garantia dos direitos fundamentais.

Visão 

Ser referência em polícia de proximidade, orientada pela gestão e solução de problemas.

Valores 

  • Preservação da vida e da dignidade da pessoa humana
  • Respeito ao interesse público, ao policial e ao cidadão
  • Profissionalismo com reconhecimento de mérito
  • Governança com foco em resultado
  • Transparência
  • Hierarquia e disciplina

A partir desses conceitos, foram elencados os oito Objetivos Estratégicos:

  • Reduzir os indicadores referentes a crimes violentos
  • Consolidar o valor do policial militar junto à sociedade
  • Otimizar a capacidade operacional
  • Renovar a capacidade logística e estrutural das diversas organizações policiais militares
  • Aperfeiçoar os mecanismos de controle interno
  • Revisar e reestruturar as normatizações das unidades da Polícia Militar
  • Aprimorar e valorizar o efetivo policial militar
  • Aperfeiçoar os sistemas de tecnologia, informação e comunicação

1 COMENTÁRIO

  1. Policiamento de proximidade com fuzil na mão? Está brincando?
    Vocês são doentes ou isso é ignorância mesmo?
    Vão analisar qualquer Polícia do mundo desenvolvido (esquecendo um pouco os EUA), estudar, para entender um pouco.
    A começar a desmilitarização ou, ao menos, a diminuição da hierarquização, com vistas a tornar uma instituição menos desigual (de baixo acima) e participativa nas ações de segurança.
    Ter capital, major, coronel ganhando remuneração de R$ 20, 30, 40 mil é um escárnio com a população por um serviço simples mal e porcamente desempenhado, enquanto o soldado, o cabo e o sargento com vencimentos de menos de R$ 8 mil é colocado a sua cara na linha de tiro por ordem superior.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui