pmdbTenho minha linha ideológica assumida, e não tenho nenhum problema com quem está em outro espectro, respeito o PSol, algumas figuras do PT, do PDT (tem diminuído bastante). Mas o PMDB, bem a linha deles é estar no poder, seja quem for.

 

Então esta análise que hoje o Cesar Maia (DEM) trouxe em sua newsletter pode até ser uma boa notícia para o Rio de Janeiro. Para o ex-prefeito o estilo do governador Sergio Cabral (PMDB) não ajudou na construção de um sucessor e, apesar de possuir a prefeitura da Capital, seu partido perdeu na maior parte do estado.

PMDB DO ESTADO DO RIO EM PROCESSO DE DESINTEGRAÇÃO!

1. Paradoxalmente, no mesmo ano da reeleição com amplíssima margem de votos do governador do PMDB-RJ, a eleição-2010 deu claros sinais de esgotamento e risco de desintegração do PMDB-RJ até 2014. O estilo relações-públicas do governador, seu líder mais importante, não leva à formação de quadros. Não tem sucessor, até porque seu vice não tem "punch" de campanha. Seu líder partidário e ex-presidente da ALERJ, provavelmente não terá o mesmo entusiasmo sem condução de máquina.

2. O PMDB, na região metropolitana, tem apenas a prefeitura de Queimados. Os grandes municípios estão com o PDT, PT, PR e até PSDB. Na capital, o PMDB é transgênico. Deputados federais orgânicos do PMDB só foram eleitos 3, e a bancada estadual foi reduzida  em um terço.  No norte, a força do PR se manteve. Nos maiores municípios das regiões Serrana e Sul, a presença do PMDB é pontual. O fenômeno conhecido na política como ‘desgaste de material’ está cada dia mais evidente.

3. Na prática, a lua de mel com o governo federal só trouxe benefícios ao PT. O PT -pré-Lula- havia desintegrado no Estado todo, incluindo a capital. O governador do PMDB adora um "pas de deux" com o PT, o que legitima seus atos e lhe dá um envoltório progressista. Mas quem avançou nesse balé foi o PT. Elegeu um senador que desponta como favorito em 2014. Elegeu a maior bancada orgânica de federais, com 5 deputados. E, como se sabe, é um ótimo parceiro no processo eleitoral, e depois governa…, com os seus.

4. Depois de uma queda eleitoral entre 2004 e 2006, os deputados evangélicos voltarão a ter uma enorme expressão no Estado, incluindo pela primeira vez a capital. Reelegeram seu senador. A esquerda light avançou com o PSOL nos bairros de "classe média" da capital, tanto com seu deputado federal -o mais votado na capital- quanto com seu estadual, segundo mais votado na capital. O DEM-PSDB, também na capital, com votação igual a do PSOL, ficaram como terceira força na eleição barômetro que é a de deputado federal.

5. As denúncias vazadas pelo PT-RJ sobre o PMDB-RJ, em órgãos federais e até estaduais, só fazem reforçar este processo no estilo…, muy amigos. Mas há tempo. Tempo para revitalização das forças políticas que foram debilitadas. E tempo para o desgaste dos vencedores. Estar no governo é sempre um risco. E o jogo é jogado. São muitos times em campo. E há tempo.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui