Em meio ao período de quarentena que estamos vivendo, o Centro do Rio de Janeiro tem ficado deserto, muito diferente do que estamos acostumados a ver diariamente. E isso, é claro, contribui para a sensação de insegurança e a possibilidade de atos violentos.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

E foi exatamente isso que aconteceu com a Banca do André, na Cinelândia, na semana passada. Localizada na esquina da Rua Pedro Lessa com Avenida Rio Branco, o local sofreu um arrombamento e alguns itens foram levados. A informação foi divulgada nas redes sociais do estabelecimento.

Postagem no Instagram oficial da Banca do André informando o corrido – Foto: Reprodução

Recentemente, antes da pandemia, a Banca do André havia virado point de happy hour entre os trabalhadores da região.

Banca do André e seu famoso happy hour, num dia comum pré-quarentena – Foto: Reprodução

Nathalia Costa, que trabalha num edifício comercial próximo à banca, lamentou o ocorrido.

“É um acontecimento triste, com certeza. É um local que gosto bastante. A opção de entretenimento que a banca trouxe, faltava por aqui. Espero que não afete o funcionamento”, disse ela.

Para animar o happy hour, a Banca do André costuma receber grupos de samba, choro e DJs, além de, também, palestras sobre variados assuntos e sessões de cinema ao ar livre.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui