Plancha de frutos do mar Foto: Rodrigo Azevedo

O de Lamare acaba de inaugurar no posto 8 de Ipanema. O novo empreendimento é comandado pelos três amigos Pedro de Lamare, David Zylbersztajn e Luiz Carlos Nabuco.

Amigos de longa data, o trio, que é apaixonado pelo Rio e está confiante com a retomada do setor, promete aquecer a gastronomia carioca. A união de Pedro, que acumula anos de experiência à frente do Gula Gula e é ex-presidente da SindRio – Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes, David, que também tem experiência na área e atuou como sócio do Rubaiyat Rio, e Nabuco, que traz a expertise do mercado financeiro, vem para enriquecer o cenário gastronômico atual e garante render muitos frutos.

O de Lamare pretende ser um lugar acolhedor, tendo a gastronomia como forma de aconchego e afeto. Um local plural em todos os sentidos, levando a descontração carioca para os seus clientes através de um ótimo serviço, comida boa e drinks criativos e deliciosos.”- revela Pedro de Lamare, um dos sócios que carrega o sobrenome batizando a casa .

O cardápio é assinado pela chef consultora Lelena Cesar e comandado por Lucas Lemos, chef executivo da casa. A dupla aposta em pescados e frutos do mar. O cardápio possui 12 seções que vão desde belisquetes à pratos para compartilhar: A vitrine do mar é coisa séria; Espetados; Sarténs; Para esperar o pôr do sol; Sanduíches; Entradas frescas, Entradas quentes; Pratos para comer junto; Pratos que você quer; Na na ni na não hoje eu vou de PF mesmo e Doces delícias.

“Foi um desafio criar um menu para um lugar com esse nome, que carrega em si um DNA porreta da história gastronômica do Rio. Busquei em minha memória os papos que tinha com Fernandão (Fernando de Lamare, fundador da rede Gula Gula), quando estava renovando cardápios que ele havia criado com tanto sucesso. Peguei tudo isso e coloquei na frente do mar, com o pé na areia, o pôr do sol mais lindo do mundo, num endereço sofisticado por sua beleza e localização e pensei: esse é o conceito do restaurante! Despojado, simples e ao mesmo tempo requintado, simpático e aconchegante, alegre na memória e no paladar. Comida sincera feita com ingredientes de excelente qualidade. Os cariocas irão se sentir em casa e os turistas vão entender o que é estar no Rio. Assim é o de Lamare”, explica Lelena.

O chef Lucas Lemos ainda complementa sua parceira de cozinha: “Fizemos um trabalho a quatro mãos. Pra mim, sempre ficou muito claro que estamos montando o 1º restaurante de praia do Rio. Nosso grande diferencial é ter opções variadas e descomplicadas como o pastel de camarão na moranga com catupiry e os mexilhões ao molho cremoso de vinho branco. A nossa proposta é atrair o cliente que quer sentar e pedir um pastel de frente para a praia e ao mesmo tempo comer bem. Respeitando, é claro, o sobrenome de Lamare, que significa comida afetiva com responsabilidade”.

Entre os petiscos o salmão gravilax cortado em fatias e servido com picles e creme de raiz forte (R$ 48); a escalivada com lascas de pirarucu (R$ 35); e o mix da Cadeg, tremoços, azeitonas e queijos marinados com raspas de laranja e alecrim (R$ 32).

Na ala de entradas frescas o tiradito blanco, lâminas de peixe branco com molho cremoso, pimenta dedo de moça, maçã verde e quinoa crocante (R$ 53). Já nas quentes, tem os quiabinhos tostados com limão e coentro (R$ 23).

Entre os principais, peixe grelhado com purê de cabotiá, cogumelos e espinafre com avelãs na manteiga tostada, acompanhado dos molhos de limão, vierge e roti (R$ 78); medalhões de mignon com batatas crocantes e molho béarnaise (R$ 87) e Arroz jambalaya, arroz frito com sofrito de camarão, frango, barriga de porco, camarões e mexilhão (R$ 62,00). 

A plancha de frutos do mar com polvo, lula, camarão, peixe branco, funcho, tomate, batatinhas, limão siciliano e molho vierge (R$ 220) e o peixe inteiro assado com arroz de azedinha e salada de feijão fradinho e farofa (R$ 198) são algumas sugestões para compartilhar.

Aqueles que só querem fazer um lanchinho há sanduíches como o lobster roll (R$ 73) feito com brioche tostadinho recheado de salada de cavaca cremosa; e o club sandwich (R$ 36), frango crocante, bacon, aiolli de limão e salada de mini alface e tomate. E para os veganos tem o de Lamare (R$ 38), fatias de sourdough tostadas, recheadas de legumes assados, cogumelos, rúcula e maionese de castanha.

Nas sobremesas, pão de mel com doce de leite, avelãs, creme de cumaru e sorvete de chocolate 100% Bahia (R$ 36); cremoso de cajá, preparado com creme de chocolate branco e iogurte, coulis de cajá, sorbet de cajá e suspiro (R$ 35); e a clássica Banana Split (R$ 38).

A ceramista Denise Stewart é a responsável pelas louças que chegam em tons verdes e azuis pensadas especialmente para a casa, dando um toque especial aos pratos.

A carta de bebidas é assinada por Filipe Penno e Gabriel Lyra, os drinques têm nomes inspirados nas histórias e nas riquezas do Brasil. Entre os destaques, o Naipi e Tarobá (R$ 34), lenda que deu nome às cataratas do Iguaçu, é preparado com rum, fernet, ginger ale, angostura e gomo de laranja Bahia maçaricado; o Holambra (R$ 39), homenagem a “Cidade das Flores”, leva vodca, maracujá, flor de sabugueiro, suco de cranberry, limão Tahiti, tabasco, espuma de gengibre, flor comestível e óleo essencial siciliano; e o Praia Vermelha (R$ 34), que dispensa explicação, feito com vodca, grenadine, maracujá, sour mix, orange bitter e papel de arroz com logo de Lamare.

Serviço
de Lamare Gastrobar – Avenida Vieira Souto, s/n.
Horário de funcionamento: De terça a quinta-feira, das 12h às 22h. Sextas e sábados, das 12h à 00h. Domingos e feriados de 12h às 22h.
Reservas pelo telefone: (21) 98444-6313

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui