O Diário do Rio está produzindo uma série de matérias baseadas na temática do dia mundial da água, que acontece nesta quinta-feira, 21/03. Um dos pontos mais debatidos sob essa ótica é a quantidade de plástico nos mares. No Rio de Janeiro, o problema é grave.

Um passeio pelas praias do Rio de Janeiro é o suficiente para notar a quantidade de lixo plástico nas águas. Até mesmo os mares turísticos sofrem com isso. Em Copacabana, em qualquer dia da semana, é possível notar muitas garrafas pet.

Por não reciclar o plástico, o Estado do Rio de Janeiro perde cerca de R$ 420 milhões ao ano. As baías, rios e lagoas estão inundadas de embalagens plásticas, impactando a vida marinha.

“Eu me assustei com o volume do que foi encontrado. Não apenas o volume, mas a qualidade do resíduo pego. E você nem encontrou o que a gente consegue encontrar muitas vezes: seringa de injeção. E a agulha”, destacou o oceanógrafo David Zee, ao G1, em uma inspeção feita nas praias do Rio esta semana.

Cerca de 8 milhões de toneladas de plásticos entram no oceano anualmente. Atualmente, 90% das aves marinhas possuem fragmentos de plásticos no estômago. Até 2050, teremos mais plásticos que peixes nos oceanos. Os microplásticos estão entrando na nossa cadeia alimentar e também estão presentes no nosso ar, água e solo. Os dados são do Movimento Baía Viva.

A poluição marinha é um problema ‘transfronteiriço’ que todos os países compartilham. Objetos plásticos viajam nas correntes oceânicas, colocando em risco ecossistemas e vida selvagem. Nenhum estado ou grupo de estados pode resolver isso sozinho”, conta Sérgio Ricardo, do Movimento Baía Viva.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui