Banda de Ipanema / Foto: Reprodução Internet

O prefeito Marcelo Crivella decidiu proibir que dois blocos grandes desfilem no mesmo dia na Zona Sul. O objetivo é evitar alta concentração de pessoas nas ruas da região, dias após a confusão no fim do Bloco da Favorita.

“Se a Banda de Ipanema e o Suvaco de Cristo desfilarem no mesmo dia, um dos dois será transferido para o Centro. Ou então um dos dois terá que mudar de data. Mesmo que não sejam no mesmo horário. Porque muitas vezes as pessoas emendam um bloco que aconteceu de manhã em outro que começa a tarde. Isso vale para megablocos e blocos grandes. Ao longo da semana, teremos mais reuniões para definir os critérios e a situação de cada um desses megablocos”, explicou um auxiliar da Prefeitura.

Segundo informações do Jornal O Globo, pessoas que participaram do encontro do prefeito com representantes de associações de moradores disseram que Crivella chegou a ceder a pedidos para mudar o desfile do bloco Banda de Ipanema, que desfila em Ipanema, para o Centro, contudo, depois mudou de ideia.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

De acordo com Rita Fernandes, presidente da Sebastiana (associação de blocos de rua do Rio), a decisão do prefeito “vai na contramão do resto do Brasil, que tem incentivado o carnaval de rua. A confusão ocorreu em um bloco-show (Favorita), não em um bloco tradicional. A prefeitura já havia acenado com a redução de blocos-shows, mas não fez isso e, agora, quer acabar de vez com o carnaval de rua, que é feito pelos próprios moradores dos bairros”.

3 COMENTÁRIOS

  1. Participei da Banda de Ipanema ano passado e o que assisti: uma bagunça só, com muitas pessoas bebadas cheguei a notar pessoas com tornozeleiras eletrônicas, o que comprova que a maioria dos participantes dessas bandas vem na realidade de outros locais e favelas do Rio de Janeiro, houve inclusive problemas de arrastões, sendo necessária a intervenção da PM Carioca.

  2. Essa Rita Fernandes, presidente da associação de blocos Sebastiana deve ganhar muito dinheiro com os patrocinadores para o sustento de sua vida durante um ano.

    É um absurdo, a sua cegueira e seu discurso em relação aos prejuízos urbanísticos e ambientais ocasionados aos bairros com os megablocos.

    Primeiro, a Rita Fernandes, tem que mudar o seu conceito com relação o que é realmente, blocos de rua, antes chamado de “Bloco Pé Sujo” quê tinha o apoio dos comerciantes e dos moradores locais. Com o advento da Sebastiana, praticamente, extinguiu a maioria desses pequenos blocos de rua que ficavam restritos aos seus quarteirões e ruas de onde foram criados. Antes, haviam blocos infantis e os satíricos, e tomam como tema personagens conhecidos da política ou personagens do bairro, e se utilizam de ironia e bom humor. A Sebastiana com dezenas de megablocos filiados que fazem apresentação em inglês e com as variedades musicais atazanando os nossos ouvidos com diversas caixas de som só fez questão de acabar com o verdadeiro carnaval tradicional e popular.

    Hoje, o que vemos, é um amontoado de gente bêbada que não saem do chão e nem cantam as antigas marchinhas carnavalescas que se arriscam a serem furtados, agredidos ou até sofrer um acidente pior. A Prefeitura, tem mais que acabar com os diversos megablocos saírem no mesmo dia em horário alternados para evitar o número de centenas de milhares que trazem os transtornos do direito de ir e vir das pessoas que vão trabalhar, do caos urbano e a depredação e deterioração de um bairro. Pois, ninguém pensa que depois que acaba, ninguém e nem os órgãos da Prefeitura vão se preocupar em consertar o que foi destruído por conta disso.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui