Foto: Reprodução Internet

Quem depende do transporte público no Rio de Janeiro sabe o quanto é difícil utilizar esse serviço na cidade. São inúmeras as dificuldades encontradas diariamente pelos usuários, tais como; infraestrutura precária, manutenção aquém do esperado e conduta inadequada de funcionários. Isso sem contar com os altos valores praticados, que não traduzem a qualidade do serviço prestado.

Visando aprimorar as ações de fiscalização dos serviços oferecidos, a Secretaria Municipal de Transporte(SMTR) divulgou neste fim de semana um ranking com as linhas de ônibus da cidade do Rio que tem o maior índice de reclamação entre os usuários.

O Consórcio Santa Cruz foi o que recebeu maior número de reclamações dos passageiros, no levantamento. Os dados são referentes aos meses de outubro, novembro e dezembro de 2019.

As três linhas mais reclamadas no quesito conduta foram: 006 (Silvestre – Castelo), 865 (Pau da Fome – Taquara) e 422 (Grajaú – Cosme Velho). No que se refere ao serviço: 834 (Largo do Correa – Campo Grande), 813 (Manguariba – Santa Cruz) e 301 (Rodoviária – Barra da Tijuca). Já no que tange à conservação dos veículos: 842 (Paciência – Campo Grande), 847 (Rio da Prata – Campo Grande) e 006 (Silvestre – Castelo).

As reclamações sobre conduta se referem a situações como a de motorista que não para no ponto, que dirige de forma desatenta, que usa o celular na direção, ou à falta de urbanidade do motorista. A má conservação engloba bancos rasgados, vidros quebrados, equipamentos inoperantes e mau estado da carroceria, entre outros pontos. O nível de serviço é uma medição de parâmetros como a escassez de ônibus e a retirada de linhas das ruas.

Nesta segunda (03/02), a passagem dos trens da Supervia ficou mais cara. De acordo com decisão publicada no Diário Oficial desta sexta-feira (31/01) , o valor passará de R$ 4,60 para R$ 4,70. O novo valor foi homologado pela Agetransp com base nos contratos de concessão, reajustes anuais das tarifas para os serviços públicos referentes ao exercício 2020. Outro aumento será o das barcas, mas a partir de 16/02. A tarifa nas linhas Arariboia, Paquetá e Cocotá irá de R$ 6,30 para R$ 6,50.

8 COMENTÁRIOS

  1. É revoltante você depender desse transporte público.
    Principalmente dessa empresa VIAÇÃO PAVUNENSE
    Um absurdo essa alegação ” que os donos não querem colocar os ônibus novos pra dentro de Mariopolis e Parque Anchieta.”
    Até quando esse descaso? Ficamos aguardando por um 795 em Sulacap horas, enquanto o 793 tem a cada 5 minutos.
    Se não bastasse esperar ele chegar no ponto, ainda fica mais tempo esperando lotar pra sair. Tem dias que ficam 2 carros rodando no 795
    Um absurdo! Não é de graça, a gente paga, e não é barato

  2. Esqueceram de colocar o 386 (Mariópolis x Passeio), empresa Pavunense. Bem como o 795 também da empresa Pavunense. Duas linhas que tem ônibus em péssimo estado de conservação e uma demora absurda entre um ônibus e outro

  3. Linha 110 RODOVIARIA – LEBLON – onibus sucateados com baratas, bancos e vidros quebrados, fios soltos, barulhento, sujo, quente. Já cansei de reclamar, ngm faz nada!

  4. Cristina, concordo com você em todos os aspectos. Sem falar no monopólio. Não tem 1 concorrente. Todas as linhas sempre pertencentes a um mesmo grupo. Surreal. Péssimo serviço.

  5. Ninguém mencionou a Viação Redentor de Jacarepagua?????A linha 348 e a pior de todas,em todos os aspectos,sujeira,ma conservação,horários,e atendimento ao usuário,fora os assaltos o ponto final e na Candelaria,uma festa não tem uma patrulha p ajudar,assaltos qq hora,socorro

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui