Ruas escuradas em Santa Cruz

A Prefeitura do Rio de Janeiro, através da Secretaria de Infraestrutura, abriu um processo de licitação para obras de recuperação no Distrito Industrial de Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade. A informação foi publicada no Diário Oficial do município nesta quinta-feira (24/06). As obras, que estão orçadas em R$ 16 milhões, deverão ficar prontas em 12 meses. A licitação ocorrerá no mês de agosto.

Serão recuperados mais de 8km de vias, que receberão pavimentação e drenagem. A região receberá também um nova iluminação, através do programa Luz Maravilha. A Avenida Átila Temporal, ruas Darci Pereira e Guarantã e um trecho da Avenida João XXIII, principais vias do Distrito, começarão a sofrer as devidas intervenções no início de setembro.

O local também sofrerá outras intervenções, como: implantação de canaletas laterais para águas pluviais; recuperação da rede de micro drenagem, além do asfalto e as sinalizações horizontais das vias.

Assim como outros distritos industriais, o Distrito Industrial de Santa Cruz, sofre com ruas e calçadas esburacadas, iluminação precária, falta de pontos de ônibus, e outros problemas de infraestrutura. O local, que recebe caminhões de carga diariamente, apresenta uma imensa degradação do seu asfalto, que será reparado com agregado siderúrgico. Esse composto reduz o consumo de recursos naturais não renováveis, como aqueles provenientes da mineração de rochas, areia entre outros.

Os problemas dos distritos industriais da Zona Oeste do Rio se espalham também pela principal artéria da cidade: a Avenida Brasil, que apresenta condições de tráfego ruins, além de ter grandes trechos esburacados e mal iluminados. O contexto estrutural geral faz o escoamento da produção algo difícil, perigosos e custoso.

A Zona Oeste abrigada os seguintes distritos industrias: Campo Grande, com 22 indústrias; Santa Cruz,16; Palmares, 7; e Paciência, 4. Segundo informações da Companhia Industrial do Estado do Rio de Janeiro (Codin), responsável por implantar os distritos, cabe ao municípios a manutenção dessas regiões.

Em dezembro de 2020, o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), pertencente à Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), assinou com o governo do Estado, a escritura definitiva do terreno onde está sendo construído o Complexo Industrial de Biotecnologia em Saúde (Cibs), no Distrito Industrial de Santa Cruz.

O Cibs será o maior centro de produção de produtos biológicos da América Latina e um dos mais modernos do mundo. Com ele, a Fiocruz poderá aumentar em até quatro vezes a capacidade de produção de vacinas e biofármacos, que serão destinados ao Sistema Único de Saúde (SUS), por meio do Programa Nacional de Imunização (PNI) e do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (Ceaf), respectivamente.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui