Vista aérea da Avenida Brasil, uma das mais movimentadas do Rio de Janeiro - Foto: Divulgação/Prefeitura do Rio

Integrar e centralizar as ações e projetos desenvolvidos pela Prefeitura do Rio com base em conceitos Smart City (cidade inteligente). Este é o desafio da Coordenadoria Técnica de Cidade Inteligente (GP/CTCI), vinculada à estrutura organizacional do Gabinete do Prefeito e criada por decreto do prefeito Eduardo Paes, que nomeou Felipe Peixoto (PSD) para assumir o setor. A novidade faz parte da expansão e modernização do Centro de Operações Rio (COR), o maior centro de monitoramento urbano da América Latina que este ano completa uma década.

O foco da nova coordenadoria será o desenvolvimento sustentável da cidade que, no último ano, saltou do 12º para o 7º lugar no ranking das Smart City no Brasil. A ideia é fazer do Rio o top cinco de cidades inteligentes. Para tanto, a GP/CTCI usará dados de órgãos como o Instituto Pereira Passos (IPP), DataRio e COR, investindo em projetos de planejamento urbano, mobilidade, inovação e tecnologia.

“A coordenadoria será fundamental para fazermos do Rio o top cinco de cidades inteligentes. Teremos uma grande missão pela frente e estou muito feliz com esse novo desafio que assumo ao lado do Eduardo, hoje a maior liderança política do nosso estado. Afinal, o Rio é a segunda maior cidade do Brasil”, disse Felipe, que na semana passada participou do Connected Smarty Cities, mais expressivo evento de cidades inteligentes do país, onde o 7º lugar conquistado pelo Rio foi anunciado.

Parte da trajetória – Felipe Peixoto é empresário e administrador, especialista em direito público pela Escola Superior de Advocacia da Ordem dos Advogados do Brasil e tem MBA em Gestão de Projetos da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Aos 20 anos fundou sua empresa para projetos voltados à internet, e dos seus 44 anos está há 34 anos na militância política. Em janeiro desse ano, com a saída do deputado Jorge Felippe Neto (PSD) da Assembleia Legislativa do Estado do Rio para a Secretaria Municipal de Trabalho do Rio, Felipe assumiu a cadeira apresentando uma série de projetos para todo o estado. Ele permaneceu no cargo por quase todo o primeiro semestre e, com o retorno de Jorge Felippe à Alerj, seguiu tocando seus projetos, assumindo agora a nova coordenadoria.

Entre seus diversos cargos, Felipe Peixoto foi vereador por três mandatos em Niterói, sustentando até hoje o título do mais votado em toda a história da cidade. Na Câmara niteroiense ele aprovou mais de 110 projetos, como a Lei do Estatuto da Bicicleta (primeira no Brasil) e a Lei do Reúso das Águas Cinzas. Outra de suas importantes conquistas foi a luta pelo fim da cobrança irregular do foro e laudêmio na Região Oceânica de Niterói, com um grande movimento na cidade iniciado por Felipe há 15 anos junto ao Ministério Público. O resultado veio há pouco mais de um mês, no último dia 3 de agosto, com a anulação da taxa que beneficiou não só Niterói, mas todo o litoral fluminense.

Eleito deputado estadual em 2010, Felipe foi secretário de estado em duas pastas (Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca e a de Saúde) e disputou a Prefeitura de Niterói em 2012, 2016 e 2020, chegando ao segundo turno em duas delas. Em 2018 concorreu outra vez à Alerj e ficou como primeiro suplente do PSD. Ele retornou ao setor privado em 2019, quando foi também professor da pós-graduação em Administração Pública da Universidade Federal Fluminense (UFF) na disciplina Políticas Urbanas. Nesse período compartilhou experiências de áreas que muito trabalhou em seus mandatos, como o planejamento metropolitano, planejamento de política urbana e de mobilidade, e ainda política habitacional, desenvolvimento sustentável e cidades inteligentes.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui