Aglomeração na Mureta da Urca (Foto: Márcia Foletto)

Depois de proibir o consumo de bebidas alcóolicas nas ruas após às 21h e impedir que veículos estacionem na orla do Rio, a prefeitura pode tomar mais uma série de medidas drásticas para conter o novo aumento registrado da média móvel de mortes pela Covid-19 na Capital Fluminense.

Com a alta da média móvel de mortes observada pelo quarto dia seguido, o número de óbitos no município passou de 10 000, a ocupação nos leitos de UTI se aproxima dos 90% e a curva de contágio não achatou, como esperavam as autoridades.

A Veja Rio, o subsecretário municipal de Saúde, Jorge Darze, afirmou que “A culpa não é do poder público. O problema é o cidadão, que ousa descumprir as regras“. Darze diz que não descarta a possibilidade de agir de forma mais rigorosa e voltar a fechar praias e bares, não sem antes testar a ideia de delimitar espaços nas areias da orla.

Ele concedeu a seguinte entrevista ao veículo; confira abaixo:

O clima na entrevista mais recente do prefeito Marcelo Crivella era de preocupação com o quadro atual da pandemia no Rio. Que medidas devem ser tomadas daqui em diante? Haverá um recuo na flexibilização?
Nós já endurecemos. O prefeito anunciou multas maiores para bares que descumprissem as regras de ouro e permitissem aglomeração; a interdição passou a ser de, no mínimo sete dias para os estabelecimentos que descumprissem as normas, e passamos fiscalizar com mais rigor as praias.

Essas medidas não foram suficientes, então?
Não, não foram. É grande a possibilidade de tomarmos atitudes mais radicais. A população não cumpre as regras, e isso não é um problema da prefeitura. É do cidadão, que ousa descumpri-las. Mas não seremos omissos e vamos engrossar o caldo.

O presidente do SindRio, que representa dez mil bares e restaurantes da cidade, enviou um comunicado à imprensa nesta segunda (21) em que acusa a fiscalização de penalizar apenas o comércio legal. Segundo ele, os ambulantes continuam trabalhando livremente. O que o senhor tem a dizer sobre isso?
Ah, tá bom. É muito fácil dizer isso, soltar uma nota reclamando dos ambulantes. Estamos fazendo a nossa parte, cada um tem que fazer a sua. E ele fez o quê, cara-pálida? Por que não ligou para o 1746 para denunciar? Eu moro num polo gastronômico onde ninguém vende nada na rua. Pode ter em um lugar ou outro, mas são casos pontuais. Já os bares abertos, funcionando do jeito que estão, são verdadeiras bombas e vão explodir mais adiante.

E em relação às praias? Elas vêm lotando a cada dia de sol. Pensa em retomar a ideia de delimitar espaços com fitas?
As propostas continuam sobre a mesa. É uma ideia que está sendo estudada. Acho que teria sido bom se tivéssemos feito o teste, o projeto-piloto. Devemos fazê-lo, caso os números continuem ruins. Tudo depende disso, de levantamentos e dados.

Como seria a ocupação das areias?
Quem bolou esse projeto tinha feito um planejamento em que a divisão dos espaços seria gerenciada pelos barraqueiros, que já organizam informalmente os espaços alugando cadeiras e barracas. Eles ficariam responsáveis pelas áreas em frente ao seu negócio e passariam por cursos de capacitação. A Guarda Municipal daria um suporte para problemas que pudessem vir a surgir. Não tenho maiores detalhes, essa é uma modalidade que precisa ser experimentada. Acho com as fitas, como foi feito na Europa, pode funcionar.

E se não funcionar?
Isso as curvas é que vão dizer. A população tem que entender que não somos babás, não vamos ficar falando ‘isso pode fazer, isso não pode’. As pessoas têm que cumprir com a sua cota de responsabilidade. Enquanto praias e bares ficaram frechados, o poder público fiscalizou e ninguém desrespeitou. Se tiver que fechar, vamos fechar. Não seremos omissos e vamos tomar as atitudes que tiverem de ser tomadas. Por mais duras que sejam.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui