Prefeitura inicia obras do Terminal Intermodal Gentileza; espaço no Centro terá conexão entre BRT, VLT e ônibus

Expectativa é de que cerca de 130 mil pessoas passem diariamente pelo local, que ficará situado no antigo terreno do Gasômetro

Beth Santos/Prefeitura do Rio

O Terminal Intermodal Gentileza, na Região Portuária do Rio, deve ficar pronto até o fim de 2023. Nesta quinta-feira (21/07), o prefeito Eduardo Paes foi até o antigo terreno do Gasômetro para acompanhar o início das obras.  O TIG, como foi batizado, vai ser uma estação de integração entre o BRT Transbrasil, VLT e linhas de ônibus municipais regulares.

A expectativa é de que o projeto atenda cerca de 130 mil pessoas por dia. Desse total, 60 mil devem usar, também, o VLT em direção ao Centro da cidade, o que, para Eduardo Paes, é o grande diferencial do projeto. 

Aqui vai ser o verdadeiro terminal de integração da Transbrasil. Teremos a integração total com o VLT. O passageiro chega de BRT e, se for para o Centro, pode pegar o VLT. Se for para a Zona Sul ou Tijuca, pega um ônibus. A Transbrasil vai se encontrar com a Transolímpica em Deodoro, com a Transcarioca na altura de Ramos e com o VLT no Terminal Gentileza. Estes modais de transporte não só foram destruídos nos últimos quatro anos como também não foram integrados. Com eles, as pessoas terão suas vidas facilitadas, com bilhete integrado. Quem pegar um BRT não vai precisar pagar um novo bilhete para o VLT. Com o novo modelo de bilhetagem e subsídio, a Prefeitura vai conseguir fazer essa integração“, afirmou Eduardo Paes.

O Terminal Intermodal Gentileza vai funcionar no antigo terreno do Gasômetro, na Região Portuária – Beth Santos/Prefeitura do Rio

A entrega está prevista para acontecer em etapas. O primeiro modal a entrar em operação será o BRT. Em seguida, os ônibus municipais passarão a fazer ponto final no local. Por último, será entregue a extensão do VLT, toda a estrutura do terminal e entorno no último trimestre de 2023. Circularão por hora no local até 95 ônibus do BRT, 21 composições do VLT e 137 ônibus municipais.

O Terminal Intermodal Gentileza vai integrar o BRT Transbrasil, 22 linhas de ônibus municipais e as linhas 1 e 2 do VLT, que será estendido por cerca de 700 metros até a área do antigo Gasômetro. A estimativa é que mais de 130 mil pessoas passem pelo terminal todos os dias integrando com o BRT, ônibus convencional e VLT.

As obras vão custar R$ 250 milhões e a estrutura metálica será de material reaproveitado do Centro Internacional de Transmissão (IBC), localizado no Parque Olímpico e utilizado durante a Rio 2016. A desmontagem das colunas deve ser finalizada até setembro.

Advertisement

4 COMENTÁRIOS

  1. A mobilidade e em especial o transporte público no Rio e Grande Rio é um imenso abacaxi. E só piora por falta de compentencia e corrupção.
    Projetos até ha, ainda que a meu ver, mal feitos. É preciso pensar de forma macro. Não dá pra pensar em soluções de mobilidade e transporte público apenas no âmbito da capital quando as cidades do entrono diariamente ha um gigantesco fluxo de pessoas se deslocando, quer de carro particular quer de transporte público.
    O Eixo Leste – Centro tem o segundo maior deslocamento nacional, so perdendo pra Campinas – SP Capital! No entanto, a solução passa pela lendária L3 do Metro, um modal de alta capacidade interligando o Rio-Niteroi-São Gonçalo – Itaboraí. Demanda há, então é um negocio rentável. Se não há avanços para concretização do projeto é pura incompetência ja que o certo seria uma PPP. Pq o Gov Rio não faz um PMI? Pq não busca financiamento internacional visando essa obra fundamental?

    As linhas de Trens da Supervia tem estações totalmente inadequadas e sem acessibilidade total, insegurança e constantes interrupções do serviço já que não tem segregação das linhas (muros , cercas eficaz) e o furto de cabos é frequente. Um serviço caro e ruim.

    As Linhas de metrô 1, 2 não tem ampliação já por décadas, está estagnada. A LL4 so saiu a um imenso custo e rombo no orçamento, envolta em escândalos e ainda assim, ‘calça curta’ ja que so alcança o incio da Barra da Tijuca.
    Agora a Prefeitura promete mudar os modal BRT TrasOeste e TransOlipico para VLT a longo prazo. OK concordo que pra atente melhor a região sim _desde o inicio_ tinha que ter optado pelo VLT_!
    A obra do BRT TransBrasil ja se arrasta por anos, os terminais de integração tão necessários em Ramos e Deodoro continuam so no papel.

    Agroa esse TIG propoe integrar linhas municipais em tres modais distindos. Ótimo! Mas de fato, e as linhas intermunicipais oriundas do Leste em especial vão continuar adentrando a cidade ate o Centro, Sul e Oeste? E as linhas oriundas da Baixada?? Esqueceram?

  2. Governos não costumam ter transparência e sob a gestão Paes não é diferente. Este início de obras não diferiu das invasões de terras de coletivo urbanos ou do MST, foi no arregaço mais parra dar o pontapé inicial e colocar a placa de “??? dias” de duração. Mas a administração não expõe a sociedade o que será alterado. Dizem que 22 linhas serão extintas, terão itinerário fracionado ou modificado. Serão municipais ou intermunicipais? Se são as municipais, como ficarão as que vem de Niterói já que as da baixada querem reter em Deodoro ou Irajá, terminais que sequer saíram do papel. Outra história mal contada é como o VLT chegará até o terminal, já que a linha Praia Formosa chega a Rodoviária pela Rua Equador, passa pela Rodoviária Novo Rio e segue até a Leopoldina. O Gentileza fica do outro lado da Avenida, que tem cerca de 80 metros de faixas de trânsito. As pessoas na estrutura atual terão que andar quase 1km para pegar o VLT atrás da Rodoviária, atravessando a hoje Av. Brasil / Francisco Bicalho… ou será que fecharão a via ao tráfego como fizeram na Rio Branco e principalmente na Praça XV, hoje uma laje de concreto que não tem eventos e é totalmente estéril para atender o túnel 450 que só atende a carros? Fica no escuro também como ficará o entorno da Rodoviária Novo Rio especialmente nos feriados (Se tivessem mais ideias, é a Novo Rio que deveria mudar de lugar, se tornando municipal e multimodal). Em vez de valorizar o porto maravilha, pode enterrá-lo de vez, aliás o mercado imobiliário de São Cristóvão congelou desde o anúncio do TIG. São dúvidas que merecem esclarecimento público e, como nas obras olímpicas estão no método “executa” depois “e o que vai dar”. Só que é dinheiro público, com promessas de execução de PPP de $18,5 bi. com contratos, prazos, comprometimentos feitos por um único governante, e estes vão gerar acertos ou danos para 6 milhões de pessoas. Muita responsabilidade para posturas açodadas.

    • A pesquisar nas próximas semanas os efeitos imediatos da obra do TIG e futuras parcerias, especialmente a do VLT Botafogo-Gávea. É só verificarem o “boom” de anúncios imobiliários da região da zona sul no fim de semana 23-24/07/2022. Não entendo o movimento como positivo, mas como desespero pela futura implantação de canteiros de obras que podem travar o sistema viário da região. São Cristóvão já tem o mercado local congelado desde o inicio do TIG e até mesmo com especulações sobre estádio do flamengo…

  3. O BRT e o VLT que o Eduardo PaesPalho não consegue resolver. Muito marketing e pouco resultado. Que tal pagar as dívidas do VLT? E da Porto Novo? E que tal preencher os valores do Fundo Imobiliário do VLT? E que tal relicitar a bilhetagem? E que tal comprar mais ônibus BRTs? E o Rock In Rio? Já tem ônibus pra levar o povo todo pro local?

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui