Foto: Reprodução

Com o cancelamento do carnaval, a Prefeitura do Rio está preocupada em conter os blocos clandestinos que possam surgir. Em entrevista ao Portal G1, o prefeito Eduardo Paes (democratas) disse que a Secretaria de Ordem Pública (Seop) está pronta para acompanhar eventos que possam ser marcados em redes sociais e evitar os cortejos.

O prefeito enfatizou que os grandes blocos têm se mostrado dispostos em não realizar a festa, devido a pandemia da Covid-19. Mas a espontaneidade da festa é o que preocupa as autoridades. Por isso, o monitoramento já está acontecendo e permanecerá durante todo período em que ocorreria o carnaval.

“Nós já estamos fazendo um monitoramento, tomamos as medidas necessárias como suspender o ponto facultativo do dia 15/02, segunda-feira de carnaval. A gente vai estar com a Guarda Municipal desligando o carro de som que tiver levando bloco. A polícia vai ter que agir junto. Se tiver um bloco que surja só na acústica, sem carro de som, a gente vai ter que coibir”, afirmou Paes.

Apesar dos altos números de casos de Covid-19 na cidade, o prefeito se diz otimista e falou que, caso haja uma queda considerável até julho de 2021, não descarta remarcar a festa.

“Se Deus quiser, rolou [diminuição em] julho, eu faço os ensaios técnicos na avenida, não tem a menor dificuldade. Agora, o carnaval mesmo oficial não tem como ter. Pode criar uma coisa em cima da hora. Literalmente. Põe a escola [de samba] Em Cima Da Hora no negócio, e faz uma coisa. Mas não dá para programar isso com antecedência”, cogitou o prefeito.

Costa do mar, do Rio, Carioca, da Zona Sul à Oeste, litorânea e pisciana. Como peixe nos meandros da cidade, circulante, aspirante à justiça - advogada, engajada, jornalista aspirante. Do tantã das avenidas, dos blocos de carnaval à força de transformação da política acreditando na informação como salvaguarda de um novo tempo: sonhadora ansiosa por fazer-valer!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui