No último dia 18/03, você leu aqui no DIÁRIO DO RIO que a Prefeitura havia anunciado a criação de um hospital de campanha no Riocentro, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade, para atender pacientes que tivessem algum tipo de problema de saúde que não fosse o Coronavírus, ajudando, assim, a desafogar as demais unidades hospitalares do município, deixando-as exclusivamente para tratar os casos de Covid-19.

Nesta quinta-feira (26/03), porém, a Prefeitura divulgou uma nova estratégia para o hospital. E ela é justamente contrária à ideia inicial, isto é, a nova unidade hospitalar vai atender somente casos de Coronavírus.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

“A ideia é ativar o hospital do Riocentro quando 70% das vagas do Hospital Ronaldo Gazolla, em Acari, que é nossa referência para o Coronavírus, estiverem preenchidas”, disse Ana Beatriz Busch, secretária municipal de Saúde.

Ana Beatriz disse ainda estar terminando de fechar os detalhes da nova unidade hospitalar do município, mas revelou que espera contar com auxílio da União neste planejamento.

Ao todo, o hospital do Riocentro e o Ronald Gazolla terão 881 leitos, sendo 500 na primeira unidade hospitalar e 331 na segunda, respectivamente.

Dessas 500 vagas no Riocentro, 100 são de UTI e 400 de leitos convencionais. As obras já estão em andamento.

Já o Ronaldo Gazolla está passando por um processo de ampliação, e uma ala onde anteriormente abrigava uma maternidade foi transferida para um hospital em Madureira. Dos 381 leitos, 128 já estão prontos.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui