Nesta segunda-feira, 26/10, foi anunciado pelo prefeito Marcelo Crivella que o censo municipal de população de rua deverá ser usado para embasar um novo pedido judicial para permissão de internações involuntárias na cidade. O prefeito afirmou que o aumento recente dos moradores de rua gerou “constrangimento à população formal” e contribuiu para a disseminação do Covid-19.

No início da pandemia de Coronavírus, em março, o município foi impedido pela justiça de realizar acolhimento compulsório de moradores de rua, numa decisão que seguia a principal linha defendida por especialistas da área.

“Pode ter certeza que Centro e Zona Sul tiveram muito mais população de rua do que o normal. A população de rua aumentou muito, gerando constrangimento enorme na população formal”, disse Crivella.

De acordo com Marcelo Crivella as entrevistas para o censo começaram nesta segunda-feira e vão até a próxima quinta e os resultados devem estar prontos na semana que vem. O trabalho é um conjunto entre as secretarias municipais de Assistência Social e Direitos Humanos e de Saúde, além do Instituto Pereira Passos e da empresa Qualitest, contratada por licitação para o projeto. O último censo feito pela Prefeitura, em 2018, apontou um número populacional de 4.628 pessoas em situação de rua, enquanto um estudo de dois anos antes dizia que eram 14.279 pessoas. A Defensoria Pública do Rio costuma usar o dado de 15 mil pessoas.

1 COMENTÁRIO

  1. Aproveita e divulga também a quantidade de imóveis não ocupados e com dívidas de IPTU, assim também os imóveis públicos.
    Certamente a equação de tudo revelaria que se fossem ocupados com por essas pessoas, nenhuma mais precisaria ficar em situação de rua.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui