Projeto Mentorias Para Elas abre inscrições para formação gratuita de empreendedoras negras

O Brasil é o país com mais empreendedores no mundo, em que metade dos microempreendedores individuais (MEI) é composta por mulheres. Por conta do desemprego e desigualdades socioeconômicas, as mulheres negras, que são a maior parte desse grupo, com 51%, começaram a investir na própria empresa. No entanto, esse cenário mudou durante a pandemia, e 36% delas encerraram seus negócios.

Com o objetivo de investir na formação profissional por meio da economia criativa, a partir desta segunda-feira, dia 26/07, a Ártemis, em parceria com a Pan-Africa Vision, abre inscrições para o Programa Mentorias Para Elas, uma formação gratuita, com duração de três meses, voltada para mulheres negras da capital fluminense.

Inscrições
Para se inscrever é preciso ter 21 anos ou mais, ser empreendedora formal ou informal, no ramo da economia criativa, nas áreas de: moda, artesanato, comunicação, gastronomia, tecnologia, expressões culturais e demais áreas afins. A prioridade é para mães solo e de baixa renda que já tenham uma empresa, independente do tamanho. O cadastro será dividido em duas etapas: a primeira, com início na próxima segunda-feira, 26/07, somente para monitoras. Além dos requisitos acima, será um diferencial já ter atuado com monitoria ou na organização/gestão de eventos/projetos/cursos. O papel da monitora é auxiliar as alunas e ser uma ponte entre elas e o projeto. Serão selecionadas três mulheres, que além da participação do curso, irão receber R$600 durante os três meses de formação.
As inscrições seguem abertas até o dia 01/08, domingo. A segunda etapa, para as alunas, abre no dia 28/07, quarta-feira. Serão selecionadas 60 mulheres da capital fluminense, que receberão bolsa-auxílio por dois meses, no valor de R$135,00. Destas, 30 serão mentoradas por funcionários das empresas LinkedIn e Unisys.
A mentoria tem o objetivo de auxiliar no desenvolvimento de estratégias de negócios através de profissionais com experiência em diferentes áreas. Nessa categoria, as inscrições acontecem até o dia 05/08, quinta-feira. Além destas modalidades, o projeto ainda oferta 40 vagas para mulheres de todo Brasil, que queiram participar das aulas como ouvintes.

Reparação histórica
Segundo Priscilla Cadette, COO da Pan-African Vision e CEO da Ártemis, a reparação econômica para mulheres negras é um passo fundamental para a construção de novas perspectivas de futuro. “Para nós, essa reparação econômica representa uma forma de compensação em relação àdiscriminação sofrida no passado, e que ainda sofremos. A ideia é que consigamos evitar que o passado se reproduza interminavelmente, agora no presente, e se projete para o futuro. Se observarmos bem, o contexto socioeconômico é muito desfavorável para as mulheres em geral, mas, se olharmos com corte racial o abismo é um buraco sem fundo. Os dados referentes às mulheres negras no contexto socioeconômico são aterrorizantes. A vulnerabilidade ao desemprego é maior, taxa de desemprego, vítimas de feminicídio e tantas violências. Essa reparação significa resistência a um apagamento histórico!”, afirma.

O Programa Mentoria para Elas é uma realização da Ártemis, com o patrocínio da Prefeiturado Rio, através da Lei do ISS, da Secretaria Municipal de Cultura.

Ártemis e Pan-África: pelo ativismo econômico e igualdade racial
Há oito anos um sonho movia Priscilla Cadette de Manaus para o Rio de Janeiro.
Cantora lírica e empreendedora, ela planejava conectar pessoas e negócios, e assim nasceu a Ártemis. Em 2018, com a amiga e sócia Letícia Santos, a empresa se posiciona com um modelo inovador para gestão de projetos de economia criativa.
A parceria com a Pan-African Vision para o Programa Mentorias Para Elas veio da proposta de construir algo ainda maior e que alcançasse mais mulheres negras empreendedoras. A empresa do setor de consultoria, nasceu como uma plataforma de ativismo econômico, com foco na economia criativa, empreendedorismo, comércio exterior e educação.

SERVIÇO
Inscrição para alunas: neste link.
Inscrição para monitoras: neste link.
Para mais informações, visite o site Ártemis, neste link.

carioca, estudante de Letras na UFRJ. Nascida numa segunda-feira de carnaval, se apaixonou muito cedo pela arte das Escolas de Samba. Moradora da Taquara, é Zona Oeste desde os onze anos; não dispensa um passeio pelo Centro, uma ida ao Parque de Madureira, uma volta pela Cidade das Artes ou qualquer outro evento que consiga ir. Gosta de teatro e música, às vezes se arrisca nessas áreas. Também é pseudônimo de Bárbara de Carvalho.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui