Policiais do programa Bairro Seguro - Foto: Luis Alvarenga

Um dos mais importantes polos culturais e turísticos do Rio de Janeiro, Santa Teresa, na região central da capital fluminense, onde recentemente foi inaugurado o Armazém São Joaquim, poderá ser incluído em breve no programa Bairro Seguro, da Secretaria Estadual de Polícia Militar. Ao menos essa é a vontade do deputado Rodrigo Amorim (PSL), responsável por acionar o governador Cláudio Castro (PL) para formalizar a ideia.

”Santa Teresa é um bairro estratégico na nossa retomada pós-pandemia, e tenho certeza de que tanto o governador Cláudio Castro quanto o secretário de Polícia Militar, coronel Henrique, terão a sensibilidade de nos atender”, diz Amorim.

Vale ressaltar que o Bairro Seguro, que já acontece em 28 locais diferentes das zonas Norte, Sul e Oeste da capital, além de alguns outros pontos da Região Metropolitana, é considerado o principal projeto de Policiamento de Proximidade da corporação, no qual policiais militares devidamente capacitados criam vínculos fortes com os moradores, seja por grupos de WhatsApp, encontros presenciais ou conversas via telefone.

Para Rodrigo Amorim, a geografia de Santa Teresa é um dos fatores que influencia a necessidade de que o Bairro Seguro seja implementado por lá, até mesmo para precaver possíveis crimes na região.

”Santa Teresa é um bairro de patrulhamento mais complexo, muitas ladeiras, vielas e terrenos mais difíceis. Sendo assim, é muito importante que os policiais tenham essa interação com os moradores, reduzindo o tempo de atendimento e checando denúncias, sendo preventivos. Muitas vezes, uma atitude suspeita sendo checada numa abordagem acaba evitando um roubo”, afirma.

Rodrigo Amorim – Foto: Divulgação

Bairro Seguro x Segurança Presente

É importante ressaltar que há diferenças entre o Bairro Seguro e o Segurança Presente. No primeiro projeto, há um objetivo de que a interação e a forma de policiamento sejam mais próximas, com o policial praticamente se tornando um ”morador” local.

Já no segundo, que já tem 7 anos de existência, a meta principal é recuperar determinados lugares para atividades econômicas, turísticas e de lazer. Rodrigo Amorim, porém, diz que, mesmo com diferenças, ambos acabam tendo o mesmo objetivo: gerar mais paz à população.

”A administração e o tipo de emprego dos policiais são diferentes, sem contar que o Segurança Presente ainda conta com assistentes sociais e com ex-militares egressos das Forças Armadas. Mas o foco acaba sendo o mesmo: reduzir índices, dar mais qualidade de vida à população, abordar mais pessoas”, explica, afirmando ainda que, em sua opinião, o foco primordial do projeto no referido bairro deve ser a abordagem a pessoas que consumam drogas ilícitas nas ruas.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui