Projeto que proibia ‘passaporte da vacina’ no RJ sai de pauta na Alerj

Um grupo de manifestantes contrários à cobrança de comprovante de vacinação tentou invadir a Alerj, mas foram contidos pela equipe de segurança

Comprovante de vacinação contra a Covid-19 no município do Rio de Janeiro com a vacina da Pfizer. (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Na votação da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) desta quarta-feira (08/12), o Projeto de Lei 4.919/21, de autoria dos deputados Filipe Soares (DEM) e Márcio Gualberto (PSL), que proíbe a discriminação de pessoas que se recusarem a tomar a vacina contra o coronavírus, saiu da pauta.

O projeto será novamente analisado pelas comissões da Casa, porque os deputados fizeram emendas ao texto original.

Um grupo de manifestantes contrários à cobrança de comprovante de vacinação tentou invadir a Alerj, mas foram contidos pela equipe de segurança. O motivo da tentativa de invasão teria sido porque eles queriam acompanhar a votação do projeto.

Locais que exigem o passaporte na cidade do Rio:

  • bares, lanchonetes, restaurantes e refeitórios (áreas internas ou cobertas);
  • boates, casas de espetáculos, festas e eventos em geral;
  • hotéis, pousadas e aluguel por temporada;
  • salões de beleza e centros de estética;
  • academias de ginástica, piscinas, centros de treinamento, clubes e vilas olímpicas (já era exigido);
  • estádios e ginásios esportivos (já era exigido);
  • cinemas, teatros, salas de concerto, salões de jogos, circos, recreação infantil e pistas de patinação (já era exigido);
  • museus, galerias e exposições de arte, aquário, parques de diversões, parques temáticos, parques aquáticos, apresentações e drive-in (já era exigido);
  • conferências, convenções e feiras comerciais (já era exigido).

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui