Parque Eólico - Reprodução: Internet.

A Prumo Logística, parceria entre o fundo americano EIG Global Energy Partners e a Mubadala Investment Company, está se preparando para desenvolver na região norte fluminense o Complexo Eólico Marinho Ventos do Açu. Na última sexta-feira, dia 06/08, o Grupo que desenvolve o Porto do Açu deu mais um passo importante para a viabilização do projeto ao iniciar o processo de licenciamento ambiental junto ao Ibama. O Complexo Eólico Marinho Ventos do Açu, composto por 144 aerogeradores de 12 a 15 MW, terá potência total instalada de até 2,16 GW.

incidência de ventos offshore, com velocidade média de até 9 m/s. Além disso, possui infraestrutura portuária operacional única no país para apoiar a instalação e operação de projetos eólicos marinhos, além de áreas propícias para a instalação de bases de produção e manutenção de peças e equipamentos. As características que fazem do Açu a principal base logística para as atividades de O&G offshore são as mesmas que ajudarão a impulsionar o desenvolvimento de parques eólicos marinhos no Sudeste”, ressalta Mauro Andrade, Diretor Executivo de Desenvolvimento de Negócios da Prumo.

O Complexo Eólico Marinho Ventos do Açu foi dividido em 4 Parques Eólicos Offshore (PEO):Ventos do Açu 1, Ventos do Açu 2, Ventos do Açu 3 e Ventos do Açu 4. Cada PEO possuirá 540 MW de potência total, garantida por meio da instalação de 36 aerogeradores em cada parque. Além da porção marinha compreendida pelos quatro parques offshore, foram considerados dentro da área de estudo a passagem dos cabos submarinos de exportação de energia e transição terra-mar, subestação onshore e as Linhas de Transmissão em terra até a conexão com o Sistema Interligado Nacional (SIN) em Campos dos Goytacazes.

Rimac
O empreendimento ficará localizado entre uma distância mínima de 20 km e máxima de 54 km, da costa dos municípios de Campos dos Goytacazes e São João da Barra, no norte fluminense, com profundidades que variam entre 14 e 67 metros. O Açu já conta com calado e capacidade portuária operacional adequadas para o desenvolvimento do Complexo Eólico.

A Ficha de Caracterização da Atividade – FCA protocolada no Ibama no dia 06/08 é o primeiro passo do processo para obtenção da licença prévia do projeto. O próximo passo será a elaboração do estudo prévio de impacto ambiental. Devido ao pioneirismo da atividade no Brasil, a expectativa é que a avaliação de estudos de impacto ambiental desta natureza pelo Ibama seja feita entre 18 e 24 meses.

carioca, estudante de Letras na UFRJ. Nascida numa segunda-feira de carnaval, se apaixonou muito cedo pela arte das Escolas de Samba. Moradora da Taquara, é Zona Oeste desde os onze anos; não dispensa um passeio pelo Centro, uma ida ao Parque de Madureira, uma volta pela Cidade das Artes ou qualquer outro evento que consiga ir. Gosta de teatro e música, às vezes se arrisca nessas áreas. Também é pseudônimo de Bárbara de Carvalho.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui