Quanto ganha e quais benefícios tem o jurado do desfile do Grupo Especial do Carnaval do RJ?

Jurados recebem pró-labore, podem levar um acompanhante e tem direito a hospedagem, transporte e alimentação, mas sem bebidas alcoólicas. Eles ainda passam por curso da LIESA.

A Liga Independente das Escolas de Samba (LIESA), define a escolha dos jurados através de currículos que a entidade recebe. Todos os candidatos, além de possuir nível acadêmico, devem ter feitos pesquisas e trabalhos com as Escolas de Samba. Ao serem entrevistados, devem demonstraram profundo conhecimento sobre os desfiles na Marquês de Sapucaí. Após o carnaval, as escolas se reúnem e decidem pela suspensão ou manutenção do jurados. 

Ao definir o nome dos jurados, a LIESA realiza curso sobre todos os quesitos para os julgadores. Neste carnaval, que consagrou a Acadêmicos do Grande Rio campeã, o curso foi ministrado na Cidade do Samba, pelo coordenador de julgadores da LIESA, Júlio César Guimarães, e contou também com a participação do presidente da LIESA, Jorge Perlingeiro. 

Na sequência, é apresentado à imprensa o nome de cada jurado, o quesito que irão julgar e feito o sorteio de onde cada um estará nos dias dos desfiles com a presença dos presidentes e diretores das 12 escolas do grupo. Os julgadores ficam em grupos de nove, em cinco cabines, ao longo da Sapucaí.

Segundo o Manual do Julgador da LIESA, cada um dos quarenta e cinco julgadores do Grupo Especial recebem um pró-labore no valor líquido de quatro mil reais pelos dois dias de desfiles. 

A LIESA informa no Manual que o valor: “não representa qualquer retribuição financeira, mas, apenas, uma maneira de agradecer pela importante participação nas atividades comprometidas com a preservação das raízes culturais e contribuição para o engrandecimento do maior espetáculo artístico-popular realizado no país”

Todos os jurados têm direito a levar um acompanhante, que é previamente credenciado pela LIESA, e tem assegurado, sem qualquer ônus, acomodação para assistir aos desfiles, hospedagem e transporte.


Os jurados e acompanhantes são conduzidos à Passarela do Samba Professor Darcy Ribeiro, em ônibus especiais, única forma de acessarem o Sambódromo. Ao final de cada dia de desfile, os ônibus levam de volta ao hotel os jurados e seus acompanhantes.


Durante todo o desfile, os jurados são proibidos a qualquer pretexto de fazer uso de qualquer tipo de aparelho eletrônico (telefones celulares, notebook, tablet, etc.) e devem manter distanciamento de opiniões manifestadas pelas estações de rádio, emissoras de TV e matérias jornalísticas que possam, de um modo geral, influenciar nos julgamentos dos respectivos quesitos.  

Além disso, todos os julgadores e seus acompanhantes são regularmente alimentados durante os dias de exercício de suas funções e em cada módulo há um “freezer” abastecido com bebidas não alcóolicas.

Cidadão Baixada. Filho, neto e bisneto de pernambucanos é caxiense, portelense, tricolor, professor de História e Jornalista. É pesquisador na área da pessoa com deficiência, voluntário do Lions Clube Xérem e no Pré-Vestibular Comunitário da Educafro.
Advertisement

4 COMENTÁRIOS

  1. Será de excelente valia o Sr. procurar enriquecer o conhecimento pessoal buscando a verdade através das fontes imparciais e especialistas no q se refere às religiões.

  2. Boa noite, acho desagradável o termo macumbeiro, seria melhor usar o termo candomblecista ou umbandista, pois essas religiões são de respeito e de grande valia para o povo.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui