Kathlen Romeu - Foto: Reprodução

Em meio à morte da jovem Kathlen Romeu, de 24 anos, atingida por um tiro durante confronto entre criminosos e policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Lins na última terça-feira (08/06), que estava grávida de 14 semanas, um relatório recente da plataforma Fogo Cruzado aponta que quase 700 mulheres foram baleadas na Região Metropolitana do Rio de Janeiro entre 2017 e 2021. Deste total, 258 morreram. Vale ressaltar também que ao menos 15 delas estavam gestantes e 8 vieram a óbito. Outro ponto a se destacar é que o levantamento leva em consideração todo tipo de tiros disparados, desde operações policiais a homicídios.

Entre as grávidas que – infelizmente – compõem o levantamento, além de Kathlen, estão Karolayne Nunes de Oliveira, de 19 anos, assassinada durante um tiroteio na comunidade da Fazendinha, no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio, em janeiro de 2018, e Maiara Oliveira da Silva, de 20 anos, baleada durante troca de tiros no Complexo da Maré, também na Zona Norte, em outubro de 2020. Ambas estavam gestantes há 5 meses.

Paralelamente, há o caso de Dandara Damasceno de Souza, de 21 anos, baleada no rosto na Vila Vintém, na Zona Oeste, em março de 2018. Na ocasião, ela foi levada ao Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo, também na Zona Oeste, mas já chegou ao local sem vida. Para essa situação, especificamente, a Polícia Militar informou que não havia operações em andamento em Vila Vintém quando Dandara foi atingida.

2 COMENTÁRIOS

  1. Nos EUA não interessa daonde partiu a bala q matou a vítima inocente,a culpa recai SEMPRE em quem provocou a reação!!!!Aqui a polícia
    fica a mercê de idiotas defensores de marginais!!!E por isso esses marginais atiram propositamente em qq inocente q esteja por perto!!! Muita pena dessa menina linda!!!
    Uma ação parecida com a do jacarezinho por dia,resolveria a questão!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui