Na noite de quinta-feira, 1/10, aconteceu o 1º debate entre os candidatos a Prefeito do Rio em 2020, como é tradicional em todas campanhas, começou pela Band. Com 11 candidatos, e um moderador um pouco confuso, foi um debate meio caótico, mas alguns candidatos conseguiram aproveitar bem o pouco tempo que tiveram.

Luiz Lima (PSL) foi, certamente, o que mais surpreendeu positivamente. Quem esperava um BolsoLouco, viu um homem centrado, apesar da péssima escolha de roupa, que parecia de quem vinha da noitada. Ele se apresentou muito bem, dizia que a cidade deve estar acima de ideologia e religiões, e até nos ataques foi delicado. Ao ponto de uma pergunta sobre o Caixa da Prefeitura do Rio, que não teria dinheiro para pagar os funcionários, deixar o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) desnorteado, e dizer que Lima, como bolsonarista, deveria parar de assistir Globo e ficou dizendo Globolixo.

Inclusive, foi Crivella que citou a ligação de Lima com Bolsonaro. Ele não teve necessidade de falar da proximidade dele com o presidente. Apesar de falar da importância de ter um prefeito afinado com o presidente. No final, ele cutucou Crivella e lembrou que este apoiou Lula, Dilma, Cabral, Lindbergh e nas últimas eleições Alckmin, mas voltou ao cavalheirismo, e disse que é muito bom que ele esteja agora com Bolsonaro. Ate parecia um político com experiência em debate.

Clarissa (PROS) começou a cortar o nome Garotinho, o maior ponto fraco dela. E deu um fora memorável em Fred Luz (NOVO) em uma crítica deste, e disse que ele estava sendo machista por não acreditar que uma mulher jovem possa fazer a carreira política sem depender de ninguém. Além de ter aproveitado bem o tempo curto do debate para se apresentar.

O Paulo Messina (MDB) poderia figurar entre os melhores, mas jogou em casa, foi perguntado sobre educação e contas públicas, temas que domina. Talvez os candidatos achassem que ele não representasse perigo. Mas isso deve mudar, com tempo de Tv e inserções, ele pode comer alguns votos do Centro.

Martha Rocha (PDT) estava indo muito bem no debate da Band Rio, mas no último round, digo, bloco, quando perguntada por Eduardo Paes (DEM) sobre sua gestão, com números negativos, acabou sentido o golpe. Ali pesou a inexperiência em debates, mas se ela conseguir ir ao 2º turno com o ex-prefeito, ele pode ter uma vida difícil, o PDT vai treiná-la.

Benedita da Silva (PT) foi bem, e apesar de Crivella ter tentado usá-la como escada, ela o derrubou. Contudo, a idade começa a pesar, o que é esperado, e isso pode fazer com que ela perca votos para o PDT.

Eduardo Paes e Marcelo Crivella usaram seu tempo para se defender e ambos sairam bem nesse ponto. Ambos apanharam muito, mas se viraram. Paes melhor que Crivella, que parecia viver em outro mundo, citando números loucos e que a Saúde do Rio era maravilhosa. Porém, para quem está no poder, no caso do Crivella, e na liderança, Paes, foi excelente para eles. Não perderam votos, mas também não ganharam.

Fred Luz (NOVO) e Renata Souza (PSol) acabaram sendo duas faces de uma mesma moeda, atacaram a todos, todo o tempo. Eles falaram apenas para seus eleitores, dali dificilmente conseguiram votos. Apesar de Renata ter sido ligeiramente melhor.

Glória Heloíza (PSC) lembrou a Dra. Ivanir do Prona de Enéas, falava de amor com a expressão fechada. Olhava mal para a câmera, e não aproveitou o debate para passar quem é, para se tornar conhecida. Foi esquecível.

Bandeira de Mello (REDE), que acabou indo para o debate de uma hora para outra, mostrou a falta que o treino faz. Não chegou a ser péssimo, mas foi enfadonho, lento e em certos momentos parecia que ia chorar. Talvez, devido a lei eleitoral, não participe dos próximos, e isso pode ser melhor para ele.

Assista ao Hoje no Rio especial sobre o debate, com Quintino Gomes Freire, Felipe Lucena e Cláudio Castro tecendo seus comentários:

Conheça os candidatos a prefeito do Rio em 2020.

4 COMENTÁRIOS

  1. Santo Deus! Que texto confuso e mal redigido. Não havia nenhum revisor na hora para torná-lo mais palatável e didático? Teve trechos que precisei ler três vezes, pelo menos, para entender o que queriam dizer. Lamentável!

  2. Eu vi algo totalmente diferente. O “candidato que surpreendeu”, Luiz Lima ficou repetindo um monte de chavões. Vendo aqui que o candidato simplesmente fala de “Educação Moral e Cívica” como solução pra educação. Sendo que falta que falta professor nas escolas. E sinceramente, desde o primeiro momento, tenta se colocar como “novo, diferente, o candidato do presidente”. Já vimos isso em 2018 com Witzel. Deu no que deu. Aguarde os próximos debates.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui