Reintegração de posse de terreno da Petrobras em Itaguaí, Região Metropolitana do RJ, em 01 de julho de 2021 - Foto: Cristina Boeckel/G1

A manhã desta quinta-feira (01) em Itaguaí, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, foi marcada pela reintegração de posse, determinada pela Justiça, de um terreno pertencente à Petrobras. O local fica na Avenida Deputado Octávio Cabral, no bairro Ponte Preta. Por lá, vivem, desde maio, aproximadamente 400 famílias.

Pouco antes das 08h, agentes do Batalhão de Choque e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) entraram no acampamento, após confronto com os moradores. Havia também a presença de um veículo blindado na entrada do local.

Lá dentro, algumas barracas entraram em chamas, enquanto que os manifestantes que tentavam resistir à ação confrontavam os policiais atirando paus e pedras. Em contrapartida, bombas de efeito moral foram lançadas pelo Core para dispersar os moradores do local.

”Iniciamos uma negociação que durou por volta de 1h30, onde tentamos convencê-los a sair de forma pacífica. Pedimos que retirassem as crianças primeiro, pois nós tínhamos um local para levar as crianças e idosos. No entanto, houve recusa por parte de um rapaz chamado Erick, que é o líder do movimento. Algumas pessoas saíram antes dele chegar. Ele inflamou os ânimos e não permitiu a saída das pessoas”, explica o tenente-coronel André Araújo, comandante do 24º BPM (Queimados), antes de concluir.

”Pedíamos que eles abrissem o portão e autorizassem as pessoas a sair e nós retirássemos os pertences para levar para um local destinado pela juíza. Entretanto, ele se recusou e a partir daí acionei o comandante do Batalhão de Choque.”

A área foi intitulada de ”Acampamento de Refugiados Primeiro de Maio”, contando com apoio de organizações como o Movimento dos Sem Terra (MST) e de alguns sindicatos de petroleiros.

2 COMENTÁRIOS

  1. Essas não são pessoas em situação de rua, que vivem com a roupa do corpo não… Muitos desses estavam com vestes bem limpinhas e bolsas e mochilas em otimo estado… Deviam ser presas!!!

  2. São muitos oportunistas que estão ali.

    Infelizmente, é verdade, existe deficiência, ou mês.o falta, de Política Habitacional. Algumas esferas fazem pouco, outra, não faz nada. Assim é nos governos municipal, estadual e federal.

    Mas também vemos, no entanto, muitos oportunistas que saem de um canto correndo para fazerem ocupação sob coordenação de movimentos ou quadrilhas sob o disfarce de ONG.

    Em dois meses mais de 400 famílias?
    Alguns com a cara de pau afirmam que não têm para onde ir??? Ora, onde estavam antes? De onde vieram? Brotaram do chão???

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui