Foto: Beth Santos/Prefeitura do Rio

O Cento do Rio de Janeiro recebeu mais uma grande notícia no processo de resgate da região. O primeiro residencial da Zona Portuária, o Rio Wonder Residences, teve todos os 470 apartamentos da primeira, das três torres que irão integrar o empreendimento, vendidos no intervalo de um mês. As primeiras 360 unidades foram vendidas em apenas 4 dias.

O prédio, que marca o retorno de investimentos do mercado imobiliário na região, com a venda de Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs) após seis anos, ficará localizado na Praça Marechal Hermes, no bairro do Santo Cristo, e será destinado a famílias com renda mensal de R$ 6 mil a R$ 11 mil. O anúncio foi feito pela Cury Construtora, empresa responsável pelo lançamento. O terreno foi comprado pela construtora por 19 milhões de reais.

As três torres previstas no projeto, vão contar com studios e unidades de 1 e 2 quartos. A primeira, totalmente vendida, tem previsão de entrega para junho de 2024. O lançamento da segunda deve ocorrer em agosto e, dependendo da demanda, a terceira pode ser apresentada ainda este ano. As três torres de vinte andares, totalizam 1.224 apartamentos com valor entre 195 mil a R$ 400 mil.

Diretor da Sérgio Castro Imóveis, o empresário Cláudio Castro comentou o sucesso do Rio Wonder Residences e da retomada do Centro do Rio.

A revolução do Centro já começou, e, emblematicamente, pelo Porto Maravilha, cujos escritórios novos entre a Rio Branco e a Cidade do Samba já estão quase que 100% ocupados. Agora é preciso mais residencial e mais comércio aberto, pra atender a tanta gente. A espera nos poucos restaurantes da região já são de mais de 40 minutos, e a pandemia nem acabou ainda.”

Negociação de Cepacs após seis anos

O Fundo de Investimentos Imobiliários Porto Maravilha (FIIPM), administrado pela Caixa, comprou todos os Cepacs em leilão de lote único em 2010. A partir daí, quem negocia com o mercado é o FIIPM que, por contrato, fica responsável por repassar a verba para pagar a Operação Urbana Porto Maravilha. O fundo não vendia Cepacs desde abril de 2015 até fechar negócio com a Cury. Ao todo são mais de 23 mil certificados envolvidos na operação para construção das três torres do Rio Wonder divididos em dois lotes.

Entenda o que são os Cepacs

Cepac é a sigla para descrever Certificados de Potencial Adicional de Construção, títulos usados para financiar Operações Urbanas Consorciadas que recuperam áreas degradadas em cidades.

Potencial de construção é a quantidade de metros quadrados que se pode construir em determinado terreno, representada na quantidade de andares, na altura do prédio e na metragem. A Lei que cria a Operação Urbana Porto Maravilha define um aumento do potencial de construção, que varia em função do setor (no máximo 150m). Para utilizar o Potencial Adicional de Construção, os interessados devem comprar Cepacs.

O dinheiro da venda dos Cepacs paga as obras e os serviços da Operação Urbana Porto Maravilha nos 5 milhões de m².

A quantidade de Cepacs de cada empreendimento varia com a localização do projeto e o tipo de utilização. Para imóveis residenciais são necessários menos Cepacs do que para não-residenciais (comerciais). Em determinadas áreas, a diferença pode variar em até 50% na quantidade. Com isso, há o estímulo a uma ocupação mista e ao aumento do número de moradores.

23 COMENTÁRIOS

  1. É vergonhoso saber que ainda tem funcionários públicos da Prefeitura pagando aluguel.Ate a gestão do César Maia existia a carta de crédito para os funcionários da prefeitura comprarem suas residencias,agora cadê?Eu até hoje não consegui comprar uma casa.Agora esse projeto deveria ser para os funcionários da prefeitura.Nos não ficamos sabendo de nada,nada é comunicado para nós.Deixo aqui a minha indignação.

  2. Prefeito Eduardo Paes, pra mim é o melhor ate o momento, tem FOCO, futurista… concordo com ele, de valorizar o CENTRO do RJ, e dar qualidade de vida p/pessoas q.precisam trabalhar no CENTRO e pegam TREM , viajam quase 2:40 hs ou mais… é duro ! tendo residencia no Centro e trabalhando no Centro ou Z.SUL, vai ficar ótimo.

    • O Prefeito “nervosinho” realmente eh otimo, o Cabral e o Lula adoravam ele, uma grande parceria mesmo que deixou o Brasil e o Rio de Janeiro do jeito que esta hoje. Ele voltou rapido pra prefeitura com a ajuda dos eleitores sem memoria dele, pra se proteger da lava-jato. O secretario da saude dele (Sr Soranz) esta desde a ultima gestao enrolado com Ministerio Publico por desvio de dinheiro da saude. Mas vamos esquecer isso…

  3. Na minha opinião o governo deve sim entrar com políticas e canetas, quando se trata de descontrole e acúmulo de riqueza em situações oportunistas como estas. Deveria ter pré requisitos e incentivos fiscais e financeiros para a habitação da classe trabalhadora nesses empreendimentos, tornando a vida dos trabalhadores da região do centro de alta qualidade de vida.
    E os tempo em transporte, mais proximidade dos locais de trabalho, entre outros benefícios.

  4. Seria sensacional se o projeto fosse de prédios boutique de no máximo 3 andares, com ruas holandesas.
    Esse projeto parece mais um “minha casa minha vida”, vai parecer o duzentão de Copacabana.
    Uma pena.

  5. No projeto original da prefeitura na gestao passada o Porto Maravilha iria ser presenteado com arranha-ceus comerciais pra dar dar um belo visual moderno arquitetonico como cartao de visita ao porto da cidade. Acaba que vao encher de caixotes do minha casa minha vida. Rio de Janeiro realmemte ja era. Floripa é o Rio de Janeiro do futuro.

    • Nem todo o Porto Maravilha foi pensado para ser área comercial. Impensável pensar em arranha-céu na frente da rodoviária novo rio. Nesses locais, não tem jeito, nunca iriam ser populados por mais ricos. Quem estará lá em apartamento residencial é uma classe média mais baixa.

      Até porque não traz status para ninguém dizer “moro na gamboa… no santo cristo… na saúde… na zona portuária”.

      • Neolight acredito que poderiam fazer uma revitalizacao daquela regiao que ha muito tempo sofre com degradacao. Isso esbarra muito na questao de patrimonio historico, imoveis tombados, teria que rever a legislacao pra permitir derrubar aqueles sobrados que abricam poucas pessoas e permitir a construcao de predios maiores, com mais unidades.

  6. Quantas dessas unidades vão para pessoas saindo do aluguel, ou não, que estão adquirindo seu primeiro imóvel???

    Poucos…

    Logo, continuamos não vendo política habitacional.
    Os imóveis de lançamentos adquiridos são por rentistas, para vender mais caro ou obter renda de aluguel, longa temporada ou mesmo curta temporada, alguns até já possuem um ou mais imóveis e compra mais uma ou mais unidades.

    • Danico, quanto mais apartamentos adquiridos pelos “rentistas” disponíveis para locação, menor se torna o preço do aluguel. Ter uma casa própria pode, inclusive, ser uma péssima decisão de investimento. Liberte-se dos seus preconceitos intervencionistas, e deixe que o mercado regule os seus preços. Toda vez que o Governo meteu o bedelho nisso, deu ruim.

      • Está por fora!!! Vemos na Europa justamente combate a isso. Rentistas são oportunistas atrás de ganhos fáceis na exploração, no caso, de falhas no setor da economia e ausência de política habitacional.

        • O que se vê na Europa é justamente o pesadelo do governo se metendo.

          Mete-se na forma do aluguel, na limitação do poder de despejo e, pior, mantendo rígidos gabaritos de altura baixa em áreas arborizadas – que ficam muito bonitas à vista mas diminuem a oferta, pressionam o preço e empurram o mais pobre pras periferias. Como eles lidam com isso? Com mais medidas intervencionistas!

          • Pega cidades como mesmo Londres onde em áreas nobres tem condomínios residenciais para classe média e baixa. Governos que tem por missão o desenvolvimento de suas sociedades tem políticas assim e combate a concentração de riquezas.
            Quantos europeus estão na lista dos 100 mais ricos?

          • Que saiba muitas prefeituras estão em guerra proprietários que desvirtuam o uso residencial de suas unidades habitacionais, alguns mesmo financiados, colocando só disponíveis em plataformas para tirar renda.

      • Numa reportagem do SBT certa vez sobre mercado de temporada tinha um sujeito na zona sul que somente ele contava com 80 imóveis na região para temporada e que passava grande parte do ano vazios.
        Isso é política habitacional, fe propriedade com função social???

        • Danico eh muito simples, em todo lugar do mundo investidores compram imoveis para alugar ou vender apos a construcao. Se nao fossem esses investidores, nao teria grupo fechado, nao haveriam novas construcoes. A situacao eh bem sinples, o Prefeito esta interessado em construir esses caixotes nao eh pensando em dar moradia a quem precisa ou resolver problema habitacional, o prefeito ta fazendo isso pra enxer mais o cofre da prefeitura com iPTU pra encher mais a prefeitura de funcionarios publicos e politicos inuteis pra gente sustentar. Se nao quer rentistas, nao tem problema, os Estados Unidos querem. Sempre vai haver una opcao mais interessante pro investidor quando uma porta ameaca se fechar. Precisamos nos libertar desse comunismo que empobreceu a cidade do Rio.

          • Quantos europeus na lista dos 100 mais ricos do mundo???
            A Europa toda é comunista por conter disparada na concentração de bens?? E sua população vive com longa expectativa de vida então e mais bem estar social…

          • Alguma dúvida de que imóveis pequenos como estes e situados em local pouco valorizado ficarão isentos de IPTU?

            Imóveis de padrão mais alto ali ficariam encalhados no momento.

            Já são 10 anos de Porto Maravilha e nenhum empreendimento residencial lançado.

            Este condomínio ficará em área mais “discreta” para não “poluir” tanto o cartão de visitas maravilhoso que ostentamos.

            Quem chega pelo aeroporto internacional e se depara com um mar de moradias beijando as fétidas águas da Baía de Guanabara só pode receber com alento um prédio neste perfil.

            Moradias devem ser construídas com finalidade de que pessoas ali residam, e tendo em vista a total informalidade do carioca neste quesito, pode-se dizer que este é um empreendimento um pouco acima da média do que o carioca comum cogita pagar para morar.

            Quanto antes forem implantados prédios mais humildes, maior a chance de conter o alastramento de ocupações degradantes que tomam a cidade de ponta a ponta.

          • Sim, e como resolvemos o problema da moradia e habitação para o pobre que mora de aluguel? Pq como vc sabe o Rio é governado pela direita de Maia, Crivella e Paes há 20 anos. Seriam comunistas infiltrados?

  7. Agora que se começou a viabilizar a venda de CEPACS, é imperioso a Prefeitura cumprir com sua palavra: usar os recursos do Fundo Imobiliário e pagar as dívidas com a Concessionária Porto Novo e, além disso, preencher com os terrenos prometidos no Fundo Imobiliário do VLT e assim pagar as suas dividas com o VLT Carioca.

    Prefeito Paes Palho, foi você quem criou essas dívidas… é natural que você as pague antes de criar dívidas novas.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui