Viviane Vilela, coordenadora de infraestrutura e meios de transporte em portos, aeroportos e fronteiras e recintos alfandegários da Anvisa, participou de reunião no Galeão sobre o coronavírus — Foto: Elisa Soupin/G1 Rio

Uma reunião para debater protocolos de segurança contra o coronavírus aconteceu na tarde desta terça-feira (28/01) no Terminal de Cargas do Aeroporto Internacional do Rio, o Galeão, conforme divulgou o portal de notícias G1. Estiveram presentes representantes da Polícia Federal, de companhias aéreas, da comunidade aeroportuária, das secretarias estadual e municipal de saúde, da Receita Federal, do Sistema de Vigilancia Agropecuário internacional e da Anvisa.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

A gente está reforçando as orientações para os passageiros que chegam de determinados destinos. A ideia é que haja a intensificação da sensibilidade para avaliar se tem alguma presença de casos suspeito, além do reforço de precauções de higiene básicas, como lavar bem as mãos e tossir com a mão na frente“, explicou Viviane Vilela, coordenadora de infraestrutura e meios de transporte em portos, aeroportos e fronteiras e recintos alfandegários da Anvisa.

O protocolo foi intensificado por conta da suspeita do coronavírus em um paciente de Minas. “A possibilidade de haver um caso suspeito está maior“, diz.

Desde a última sexta-feira (24/01), há avisos sonoros no aeroporto para orientar os passageiros que chegam desses países sobre os protocolos de atenção que devem ser tomados.

Como a doença apresenta 14 dias para o início dos sintomas, a ideia é informar ao passageiro sobre o que deve ser feito. Ele deve observar a saúde e, caso apresente algum sintoma, procurar um posto médico e explicar que esteve nesses destinos“, diz Viviane.

Já aos que trabalham em companhias aéreas, cabe o reforço de avisos e monitoramento da situação a bordo.

Eles têm que ficar atentos, fazer a comunicação de se há alguém a bordo doente, informar“, disse.

O Aeroporto do Galeão é o segundo em todo o país que mais recebe voos da China, ficando atrás apenas de Guarulhos (SP). Entre novembro e dezembro de 2019, desembarcaram no Rio cerca de 1.500 chineses, sem contar turistas que vieram dessa região.

O vírus que tem causado doença respiratória pelo agente coronavírus, recentemente identificado na China. Os coronavírus são uma grande família viral, conhecidos desde meados de 1960, que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais.

Até o momento, o novo coronavírus já matou mais de 100 pessoas e infectou mais de 4.400 em todo o mundo. As mortes ocorreram em Wuhan e Pequim, na China. O vírus também já chegou nos seguintes países, além da China: Tailândia, Macau, Austrália, Singapura, Taiwan, Estados Unidos, Japão, Malásia, Coreia do Sul, França, Vietnã, Camboja, Canadá, Alemanha, Costa do Marfim, Nepal e Sri Lanka. No Brasil, o Ministério da Saúde colocou o país em alerta para o risco de transmissão do novo coronavírus, mesmo sem nenhum caso suspeito.

1 COMENTÁRIO

  1. O coronavírus já passou por aí.
    Pode acreditar!
    Nem todo portador do vírus vai ter demonstrações dos sintomas de início.
    Procurem o caso do alemão que teve contato com uma que regressou da China sem sintomas e, passada uma semana, acabou passando para ele.
    Já tem casos em BH, São Leopoldo e Curitiba – pendentes de confirmação até sexta. Todos vindo da China. E certamente tiveram muito contato com outras pessoas aqui. Vai se alastrar… É tempo de Carnaval.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui