Rio amplia exigência de comprovante de vacinação para bares, shoppings, hotéis, táxis e mais

Decreto da Prefeitura passa a valer a partir desta quinta; veja os locais que cobrarão o "passaporte da vacina"

Comprovante de vacinação contra a Covid-19 no município do Rio de Janeiro com a vacina da Pfizer. (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Um decreto da Prefeitura do Rio, publicado no Diário Oficial desta quinta-feira (02/12), estendeu a exigência de comprovante de vacinação contra a Covid-19 em áreas internas e cobertas de bares, restaurantes, shoppings, hotéis, pousadas, salões de beleza táxis, transportes por aplicativo, entre outros (veja a lista completa abaixo). A nova medida estabelecida pelo município já começa a valer a partir desta quinta-feira (02/12).

Locais como academias, cinemas, teatros, museus e estádios, que já cobravam o “passaporte da vacina”, continuam com a restrição. A principal preocupação atual da gestão municipal é a propagação da variante ômicron.

A vacinação pode ser comprovada pelo aplicativo ConecteSUS ou a caderneta de vacinação, mediante apresentação com documento com foto. A exigência e a fiscalização do controle das pessoas nas dependências dos locais será de responsabilidade dos estabelecimentos, que em caso de descumprimento da ordem, poderão ser multados e ter a licença caçada.

A Prefeitura também destaca no decreto que a produção, uso ou comercialização de documentos falsos de vacinação contra a Covid, além de adulteração do documento, está sujeito a sanções nas esferas civil e penal.

Na última quarta-feira (2/12), o prefeito do Rio, Eduardo Paes, anunciou que vai fazer um monitoramento da pandemia pelos próximos 15 dias para decidir se o Réveillon vai ser realizado ou não na capital.

Questionado sobre o Carnaval, Paes disse que ainda é cedo para definir se é possível fazer ou não a festa.

Veja os locais do Rio que exigem o comprovante de vacinação:

  • bares, lanchonetes, restaurantes e refeitórios (áreas internas ou cobertas);
  • transporte de passageiros por taxímetro ou aplicativo;
  • boates, casas de espetáculos, festas e eventos em geral;
  • hotéis, pousadas e aluguel por temporada;
  • salões de beleza e centros de estética;
  • shopping centers e centros comerciais.
  • academias de ginástica, piscinas, centros de treinamento, clubes e vilas olímpicas;
  • estádios e ginásios esportivos (já era exigido);
  • cinemas, teatros, salas de concerto, salões de jogos, circos, recreação infantil e pistas de patinação (já era exigido);
  • museus, galerias e exposições de arte, aquário, parques de diversões, parques temáticos, parques aquáticos, apresentações e drive-in (já era exigido);
  • conferências, convenções e feiras comerciais (já era exigido).
Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Essa exigência é uma excrescência. Movimento anti-vacina do Brasil é risível, os graus de vacinação no RJ são astronômicos mesmo para esta cidade onde os cidadãos não são muito de respeitar recomendações, regras e leis. O passaporte é uma violência. Se a vacina é eficaz, passaporte é inútil. Se ela não é eficaz, passaporte é inútil.

  2. Não entendi. Pensei que a população do Rio já estava tipo 90% vacinada? Qual o medo então? A vacina não funciona? É isso? Bem, se a vacina não funciona para que forcar mais vacina? A omicron parece ser bem fraquinha segunda a cientista sul africana que isolou este virus. . O pessoal não tá voltando pra segunda dose, é isto? Tem que ver o que está acontecendo…Será que tão vivos ainda? CPF cancelado? Nem todo mundo aguenta miocardite, avc, aborto espontâneo, cancer no seio, doenças auto imune, disfunção erétil de forma tranquila, sabe… Pode ser isto a razão das pessoas não voltarem pra segunda dose, quem sabe. Bem, acho que o negócio é cancelar a viagem do grupo de gringos que tava organizando pro Rio este ano. Graças a Deus ainda existem países de gente normal de braços abertos para turistas e nômades digitais como aqui na Flórida e o México por exemplo, que estão bombando com visitantes e expats em busca de alguma liberdade e falta de encheção de saco de políticos comprados pela Pfizer. Comissão parece estar alta, hein? Problema é como vou tirar minha mãe idosa daí, vender meu apartamento no Rio.. Nossa que saco….Vão proibir entrar no banco e cartório também? Onde eu estava com a cabeça pensando em investir em APs no centro pra nômades digitais? Vou ter que direcionar os clientes para outro lugar, admitir que errei quanto ao Rio e seu alcaide. Negócio é subir para as montanhas, áreas rurais. É o fim das cidades parece. Para quem tem opção, quem vai querer viver numa distopia com controle do Estado sobre o próprio corpo assim? Só gado mesmo…

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui