Grande Prêmio de Fórmula 1 em Interlagos/ Foto: Reprodução Internet

A cidade do Rio fez uma proposta de R$ 250 milhões para sediar o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 a partir de 2021. De acordo com informações do jornal Estado de S. Paulo, a cúpula da principal categoria do automobilismo mundial recebeu nas últimas semanas uma oferta com cronograma de depósitos bancários referentes às taxas e apresentação de garantias financeiras para assegurar a assinatura do contrato e, consequentemente, a realização do evento no bairro de Deodoro, Zona Oeste da Capital Fluminense.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Segundo a reportagem, a candidatura carioca garantiu à cúpula da F1 repassar até US$ 60 milhões por ano (R$ 250 milhões), cerca do triplo do que São Paulo oferece na negociação para renovar o contrato de realização da prova em Interlagos. O acordo da capital paulita termina no final de 2020.

Ainda segundo a reportagem, a proposta encaminhada pelo Rio prevê até março do ano que vem o pagamento de primeira parcela. Depois, até junho, deverá ser apresentada carta de crédito com a garantia bancária do repasse do restante até os US$ 60 milhões. Os valores oficiais dessas duas operações são mantidos em sigilo. O prazo está fixado até o fim do semestre, pois para julho está marcada a reunião que define o calendário das provas de 2021. O retorno da F-1 sobre a proposta do Rio deve ser dado em janeiro.

Os US$ 60 milhões anuais prometidos pelo Rio à F-1 incluem a taxa de promoção do GP (promoter fee), mais a renda com ingressos VIP e a participação na lucro da venda de produtos oficiais. Para bancar o valor, a empresa vencedora da licitação para construir o autódromo, a Rio Motorsports, aposta em verba de R$ 302,4 milhões, aprovada no final de novembro pela Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Rio de Janeiro e virá de renúncia fiscal.

O recurso será encaminhado à Rio Motorsports em quatro parcelas anuais até 2022 de forma não cumulativa. Em 2019, o primeiro repasse combinado foi de R$ 30 milhões, depois sobe nos dois anos seguintes para R$ 60,6 milhões e, por fim, chegará a R$ 151,2 milhões. Esses detalhes estão no projeto intitulado “Fórmula 1 Rio de Janeiro de 2021-2030”, aprovado pela Lei de Incentivo ao Esporte Estadual. O dinheiro viria de empresas interessadas em repassar até 3% do ICMS para recolhimento para o projeto.

Para cada ano de realização da prova, a estimativa é de que o impacto direto e indireto para a economia do Estado do Rio de Janeiro chegue a US$ 160 milhões, cerca de R$ 670 milhões ao câmbio atual, valor baseado em etapas já ocorridas no País e no mundo“, disse em nota a Secretaria de Esporte do Rio. A Rio Motorsports informa que, por ter um contrato de sigilo com a F-1, não pode comentar sobre as negociações em andamento.

Durante a última etapa do campeonato deste ano, em Abu Dabi, o líder do consórcio que tenta levar a prova ao Rio, JR Pereira, o secretário municipal de Ordem Pública, Gutemberg Fonseca, e o senador Flávio Bolsonaro conversaram com o chefe da modalidade, Chase Carey. Na ocasião, ainda foi assinado um termo que garante ao Rio exclusividade nas negociações com a F-1 até março de 2020

Em nota, a prefeitura do Rio informou que “os representantes da cidade tiveram um encontro em Abu Dabi com o piloto Lewis Hamilton, da Mercedes. Duas semanas antes, o hexacampeão mundial havia criticado a construção do novo autódromo do Rio por obrigar a desmatar a Floresta do Camboatá. Nessa conversa, o piloto inglês soube das contrapartidas ambientais do empreendimento, como o projeto de replantar seis árvores para cada espécie que for derrubada.

O autódromo do Rio, tem previsão de custar R$ 700 milhões. Os recursos viriam da iniciativa privada. A licitação para a obra está suspensa no momento, pois aguarda a aprovação do estudo do impacto ambiental. A cidade assinou em outubro contrato para receber a MotoGP a partir de 2022 por cinco anos.

Em Junho desse ano, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o Rio tinha “99% de chance” de sediar a Fórmula 1 a partir de 2021.

3 COMENTÁRIOS

  1. Acho um absurdo isso… a cidade falida, ainda terão que construir um autódromo novo e ainda por cima querem derrubar uma floresta inteira para isso – quando todo mundo sabe que a Fórmula Um vai muito bem, obrigada – em São Paulo.

    Que a Fórmula Um fique em São Paulo, o melhor para todos nós !!!

  2. Que absurdo!!!
    Isso é crime! Vão renunciar às receitas para fazer um evento.
    Hospitais sem insumos. Equipes de saúde sem salários. Desordem urbana em todas as áreas da cidade.
    O péssimo desempenho da Administração Pública da gestão Crivella quer dar dinheiro público para uma iniciativa odiosa que ainda destruirá o meio ambiente e colocará um evento em local cercado de comunidades em conflito. Será que vão fazer um autódromo sob uma redoma à prova de bala perdida, ou vão torrar mais recursos públicos (dessa vez do Estado) na Segurança Pública (com UPP’s)?

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui