Bairro de Santa Teresa (Foto: Reprodução)

Saio pelo portão do condomínio realizando o ritual de molhar a mão no álcool bento. Inicio a subida em direção a Santa Teresa e logo passo pela esquina ocupada por entulhos. Hoje é com areia e restos de latas de tinta. Outro dia eram móveis quebrados e lixo. Às vezes é um carro sobre a calçada. Penso no desejo de fazer uma mini mini praça no local, trazendo um pouco de beleza e salubridade para essa triste esquina.

Passando a escadinha e entrando pela rua Alice, caminho pela calçada estreita, muitas vezes mais baixa do que o asfalto ao lado. Passo pelo jamelão que se debruça do terreno murado, deixando suas marcas roxas e caroços esmagados no piso. Do outro lado desce alguém sem máscara, me obrigando a passar para o asfalto, desafiando a sorte de não ser abatido por uma van ou ônibus acelerado.

A rua segue em zig-zag e alcanço a caixa de livros, que podem ser retirados, por empréstimo ou apropriação. Almas iluminadas criaram a caixa com todo cuidado e a abastecem regularmente. Mas a portinhola de vidro foi vandalizada. Hoje os livros são de física e matemática. Mas já encontrei ali parte da biblioteca de algum urbanista.

Andando ladeira acima alcanço a escada que desce de uma comunidade. É fácil reconhecer, sempre há lixo transbordando de contêineres que cismam de serem insuficientes para as necessidades do povo que mora lá em cima. O consulado do Sri Lanka se instalou junto à escada e fico pensando no contraste entre o edifício consular e os materiais endereçados à Comlurb.

Outra marca constante naquele ponto é o transbordamento da caixa de esgoto, provocando um rio indesejável até o lado da calçada por onde sigo. Minha estratégia é esperar que não venha nenhum carro e dar uma corridinha nesse intervalo até o ponto onde já não haja esgoto correndo no asfalto e na sarjeta. Em caso contrário o banho não será nada agradável. Ah CEDAE, por que não me sinto revoltado com sua privatização? Fossem de esquerda ou de direita, os governos se sucederam lhe mantendo nessa ineficiência.

Quase no fim da rua Alice, passo pela creche Sarita Konder, projetada e construída com recursos do arquiteto Marcos Konder. Nesses meses de pandemia a creche tem estado vazia, não se vê crianças, nem mães nos portões. Depois a rua entra no túnel do mesmo nome e despenca em direção ao Catumbi. Mas aí já é com outro nome.

Vou mudando de calçada de acordo com a insolação. Se mais cedo em busca do sol, se mais tarde, em busca da sombra, e chego à rua Júlio Otoni. Passo agora por pitangas caídas na calçada, vindas lá do alto, de um terreno com muro de pedra. Por isso mesmo, quando caem já se espatifam um pouco. Jamelões, pitangas e mangas no caminho, mas nunca consigo catar.

Carros velhos nas calçadas vizinhas, pessoas esperando no ponto de ônibus, velhos e crianças sentados em cadeiras e caixotes na curva do edifício modernista sobre pilotis marcam a entrada da favela Júlio Otoni. Carros de polícia entram e saem, ou passam pela rua em ritmo lento, com suspeição.

Um pouco acima estão as casas de festas. Nesses tempos de pandemia muitas manhãs foram marcadas pelos restos da festança clandestina ou mesmo pela festa em si, adentrando o dia, despreocupada de mortes, contaminações e todas essas coisas que nos afligem e entristecem.

Por fim chego aos trilhos da rua Almirante Alexandrino e ao mirante de onde se descortina o lado Norte da cidade. Descendo morro abaixo, os barracos dos Prezeres. Depois o Catumbi, a Central, a Baía de Guanabara. E mais adiante, se o dia estiver limpo, a Serra do Mar e o Dedo de Deus. A caminhada foi boa, hora de descer de volta pra casa.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Roberto Anderson
Roberto Anderson é professor da PUC-Rio, tendo também ministrado aulas na UFRJ e na Universidade Santa Úrsula. Formou-se em arquitetura e urbanismo pela UFRJ, onde também se doutorou em urbanismo. Trabalhou no setor público boa parte de sua carreira. Atuou na Fundrem, na Secretaria de Estado de Planejamento, na Subprefeitura do Centro, no PDBG, e no Instituto Estadual do Patrimônio Cultural - Inepac, onde chegou à sua direção-geral.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui