Macarrão com salsicha, um dos pratos preferidos da criança, poderá ser extinto das escolas da rede estadual do RJ caso projeto de lei seja aprovado - Foto: Reprodução/Internet

Um dos alimentos favoritos das crianças, a salsicha poderá em breve ser extinta das escolas da rede pública estadual do RJ. Isso porque o deputado Waldeck Carneiro (PT) apresentou à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) um projeto de lei que proíbe a inclusão de alimentos embutidos na composição das merendas escolares.

Além da salsicha, ficariam banidos da alimentação dos alunos iguarias como linguiça, paio, salame, mortadela, entre outros. Vale ressaltar que entende-se como ”embutido” o alimento produzido através do preenchimento de tripas de animais ou sintéticas com diversos tipos de recheio, defumados ou não.

De acordo com o projeto, caso seja aprovado, o Poder Executivo Estadual terá que promover uma ampla campanha entre gestores escolares, profissionais da educação, estudantes e famílias para alertar sobre os malefícios à saúde causados pela ingestão de alimentos embutidos, de modo a também aconselhá-los a não consumir tais alimentos fora do âmbito escolar.

Ainda segundo o PL, os contratos já firmados pelo Poder Executivo para aquisição de alimentos embutidos poderão ser modificados, sem majoração ou penalidade, por acordo entre as partes contratadas, ficando proibidas a celebração de novos instrumentos contratuais ou a prorrogação dos contratos que estiverem vigentes, quando previrem a aquisição daqueles gêneros alimentícios.

”O objetivo deste projeto de lei é assegurar aos alunos das escolas estaduais do RJ uma alimentação mais saudável, tendo em vista que os alimentos embutidos são comprovadamente maléficos ao organismo. Afinal, além de compostos por carnes pouco nutritivas, que geralmente são descartadas [como vísceras, principalmente], eles ainda recebem adição de corantes, conservantes químicos, entre outras substâncias nocivas e artificiais. Além disso, estudos divulgados pela OMS apontam que o consumo excessivo de embutidos aumenta o risco de desenvolvimento de câncer, especialmente no colo retal. Ademais, o consumo excessivo de embutidos pode causar obesidade, diminuir a expectativa de vida e aumentar a incidência de doenças coronarianas e diabetes”, justificou Waldeck.

O projeto de lei 2783/2020, que abrange todas as escolas administradas pela Secretaria de Estado de Educação e as vinculadas à Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), ainda será votado pela Alerj.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

1 COMENTÁRIO

  1. Essa é uma medida interessante se levado em consideração a saúde e os hábitos alimentares dos alunos.

    Os alimentos embutidos contidos nas merendas escolares deveriam ser substituídos por outras fontes de proteínas animal como: carnes, frango e ovos.

    Assim, além de está consumindo um alimento mais saudável, o aluno estará sendo induzido (incentivado) a ter hábitos alimentares corretos e, dessa forma, se tornarem adultos mais saudáveis.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui