Foto: Mauro Pimentel/AFP

O Samba do Trabalhador, roda de samba liderada por Moacyr Luz, que acontece toda segunda-feira no Andaraí, Zona Norte do Rio, voltou a ser suspenso por conta do aumento do número de casos de Covid-19. Desde a retomada, aconteceram seis edições em um novo formato, adaptado para cumprir as medidas de segurança contra o coronavírus.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Moacyr Luz explicou que, mesmo com todas as regras de higiene, o cancelamento temporário “é a melhor decisão por precaução”. Desde a última semana, o Rio enfrenta uma nova alta nos casos de Covid-19 e um aumento no número de pessoas internadas pela doença, deixando grande parte dos leitos ocupados tanto na rede SUS quanto nos hospitais privados.

Por conta da pandemia, a tradicional roda de samba precisou fazer algumas adaptações em sua retomada. Em seu novo formato, o público não ficava mais ao redor dos músicos. Cantores e instrumentistas ocupavam um palco, e os frequentadores, na plateia.

Não é mais uma roda. As pessoas não ficam mais ao nosso redor”, explicou no mês passado Moacyr Luz, de 62 anos.

Há 15 anos, o Samba do Trabalhador acontece às segunda-feira e recebe um público de até 1,5 mil pessoas no Clube Renascença. Foram sete meses de paralisação até a retomada, em outubro. Para Moacyr Luz, fazer samba sem multidão é como marcar um gol e não poder comemorar: “Não tem aquela naturalidade da roda. Mas o samba está rolando. Estamos vivendo uma transformação, tem que se adaptar“, ressaltou.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui