Foto: Octacílio Barbosa/ Alerj

Em entrevista a Rede Globo, o secretário de Educação do Estado do Rio de Janeiro, Comte Bittencourt, afirmou que a aprovação automática dos alunos da rede estadual de ensino este ano é uma forma de evitar a evasão escolar de estudantes que não tiveram contato com a vida acadêmica ao longo dos sete meses da pandemia do Coronavírus.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Para o secretário, existe o risco de que 210 mil estudantes abandonem a escola no próximo ano letivo e esta é uma forma de “reforçar vínculos” com os alunos. Para Comte, o ideal é trabalhar no sistema continuo ou de bloco, recuperando objetivos educacionais que não foram alcançados este ano.

O menino do 6°ano continua na rede por mais sete anos, não temos que ter pressa e nem aceleração de progressão em um ano pandêmico, que é um desafio para o mundo. A opção do governo é recuperar o vínculo desse quase meio milhão de jovens e adolescentes do estado do Rio de Janeiro”, disse o secretário.

O estado do Rio possui 411 mil alunos no ensino regular e 89 mil no ensino de jovens e adultos (EJA).

Aqui no Rio, quando se fala em aprovação automática nos remete ao período dos anos 80 em que a aprovação automática era contínua e sistêmica na educação pública. Isso é cruel com a escola, pois é local de estabelecer responsabilidades, de construir currículo de aprendizado. Mas em 2020, o mundo todo não fala em reprovação. Temos que olhar 2020 como uma parte de 21 e até de 22, se for necessário. Nós vamos criar itinerários dando aos professores diversas ferramentas avaliativas para que cada aluno possa recuperar os objetivos escolares”, disse o secretário.

Retorno das aulas

As aulas do 3º ano do ensino médio da rede estadual de ensino serão retomadas de forma presencial no dia 19 de outubro. Ao todo, são 126 mil alunos inscritos nessa série.

A prioridade são os alunos que vão fazer as provas do Enem. Serão cerca de 35 dias letivos — com possibilidade de aulas aos sábados — até a data da primeira prova, em 17 de janeiro.

A modalidade de ensino remoto, no entanto, seguirá sendo oferecida para alunos do último ano que preferirem por ficar em casa.

Material será distribuído

Comte Bittencourt destacou ainda que o alunos do 6º ano do ensino fundamental ao 2º ano do ensino médio não vão retomar as atividades presenciais este ano.

Esse grupo receberá material escolar em casa, que começa a ser distribuído na próxima semana.


1 COMENTÁRIO

  1. O objetivo principal do processo de ensino, não de educação, é o de transmitir conhecimento, com responsabilidades de ambos os lados, da escola e do aluno.
    O mundo passa por uma situação complexa, onde a população foi levada a se recolher, pelo medo da doença ou da própria morte.
    As aulas ministradas à distância provaram que a incompetência docente presencial foi largamente ampliada com as aulas à distância, que se revelaram quase que nulidades pedagógicas e didáticas.
    Se o ensino e o aprendizado devem ser encarados com o máximo de responsabilidade, para que se construa uma base sólida de conhecimentos e, por conseguinte, de competência e de evolução sociocultural, está na hora de todos assumirem a PERDA IRREPARÁVEL que este ano trouxe e, para que não haja quebra de continuidade, a solução racional e decente é ignorá-lo completamente e repeti-lo integralmente em 2021.
    Caso contrário, estaremos comprovando para todos os alunos que tanto faz aprender ou ter aprovação automática, mesmo na ignorância. Seria a comprovação do descaso do país em relação à sua tenebrosa classificação no PISA.
    Se em um ano normal o resultado é tão pífio, imagino o que será acumular o ensino de dois anos em um…

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui