Onça Parda (Foto: Reprodução BBC)

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) registrou em abril a presença de uma onça-parda (Puma concolor) em Petrópolis, na região serrana do Rio. O animal estava dentro dos limites da Reserva Biológica Estadual de Araras (Rebio Araras), unidade de conservação administrada pelo órgão. Segundo maior felino do Brasil, a espécie tem baixa população naturalmente, e está ameaçada pelo avanço da ação humana no habitat onde vive.

O monitoramento de animais no local é feito por meio de armadilhas fotográficas que foram destinadas à unidade de conservação por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) do Ministério Público Estadual (MPE). O equipamento auxilia a equipe da Rebio no monitoramento da qualidade ambiental da fauna.

Com o auxílio da tecnologia, já foram registradas na Rebio Araras diversas espécies como o Gato-maracajá (Leopardus wiedii), e o Gato-do-mato-pequeno (Leopardus guttulus), também ameaçados de extinção. Somente no ano de 2021, foram contabilizados cinco registros da onça-parda dentro dos limites da reserva.

Animal foi filmado por câmeras de vídeo do Inea na Reserva Biológica Estadual de Araras (Foto: Divulgação)


Pelas características de vida do animal, é possível perceber que a floresta está em equilíbrio, não somente a Rebio Araras, mas também outras unidades de conservação vizinhas que conseguem proteger todo este ambiente florestal e permitir que a espécie sobreviva” afirma a gestora da Reserva Biológica de Araras, Érica Melo.

A onça-parda alimenta-se de animais silvestres de portes variados e exerce papel vital na manutenção da integridade dos ecossistemas onde ocorre. A espécie tem a capacidade de adaptação a vários tipos de ambientes, de desertos quentes aos altiplanos andinos, com maior atividade ao entardecer e à noite.

Unidade de conservação

Localizada na Região Serrana do Rio e com 3.837 hectares de área, a Rebio Araras protege em seu interior, aproximadamente, 110 nascentes e 100km de extensão de cursos hídricos. Além disso, no âmbito do Mosaico Central Fluminense, conecta a Reserva Biológica do Tinguá à Zona de Vida Silvestre da Área de Proteção Ambiental (APA) Petrópolis, duas grandes unidades federais da Região Serrana.

O Instituto Estadual do Ambiente ressalta que na reserva são permitidas apenas visitas de cunho educacional e/ou realização de pesquisas científicas, mediante autorização prévia.

6 COMENTÁRIOS

  1. Concordo plenamente com o Marcos. É preciso que as pessoas saibam que existe uma Lei Federal de direito autorais a propriedade de imagem e que tem que ser respeitada. Como fotografo, sei o quanto é importante o reconhecimento do autor da obra. Só através da divulgação do autor é que o seu trabalho passa a ser reconhecido. O trabalho começa na ida ao ambiente onde o fato acontece e isso gera custo, tempo e equipamento. O autor é tão importante quanto a obra. Pois o fato não mais se repetirá a forma como foi capturada.

  2. Tive oportunidade de estar frente a frente com uma onça preta. Na parte da mata Atlântica no espírito santo, mas isso a mais de 30 anos atrás. Qdo voltei lá no mesmo local estava desmatado a área…q pena..

    • Concordo plenamente. Sou fotografo e sei o que é isso. As pessoas precisão entender que existem uma Lei Federal de direito de imagem. Divulgar o nome do Fotografo é a forma ao qual o trabalho é reconhecido. O tempo foi gasto para chegar aquele local. O equipamento é caro e apego ao trabalho merece reconhecimento.

  3. Que lindo!!!
    Os nossos morros tem q ser preservados!!Não existe só a Amazônia…a mata Atlântica é riquíssima,e não vejo ninguém reclamando dela estar sendo derrubada!!!
    Não tem uma anta do quilate de um Dicaprio(o defensor das girafas da Amazônia),preocupado com os hipopótamos da mata Atlântica!!!
    Uma tristeza!!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui