Com o reforço de novos equipamentos, reorganização de recursos humanos e parcerias, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) pôde ampliar a capacidade de testagem biomolecular de coronavírus do Laboratório Central Noel Nutel (Lacen) e, já no fim desta semana, zerar a lista de amostras que aguardam laudos. Com isso, o Lacen, que passou a funcionar durante 24h por dia, aumentou a capacidade de analisar cerca de 900 amostras diariamente, sendo 500 no próprio laboratório e o restante por meio de parcerias firmadas com o IBEX (Instituto de Biologia do Exército), a Fiocruz e a UERJ.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Desde a entrada do coronavírus no Rio de Janeiro, o Lacen já processou cerca de 5 mil exames, prioritariamente de pacientes graves, profissionais de saúde e óbitos em investigação.

“Essas medidas permitirão que os laudos dos pacientes saiam, em média, 48h após a entrada. Com mais agilidade no processo de confirmação ou descarte dos casos, acompanharemos com maior realidade o cenário epidemiológico e a evolução da curva de casos. Essa visão nos ajudará a definir futuras ações de enfrentamento ao vírus”, indica o secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos.

Outra frente de análise da Covid-19 em que o Governo do Estado tem investido são os testes rápidos em massa. Do 1,2 milhão de kits adquiridos pela SES, o primeiro lote com 700 mil unidades chega nos próximos dias e a previsão é que o restante chegue ainda este mês.

Ainda segundo o secretário Edmar, contar com testes rápidos não significa o uso indiscriminado do material. Ele explica que, no enfrentamento ao coronavírus, tão fundamental quanto ter o insumo será a estratégia aplicada.

“Os testes rápidos nos possibilitarão fazer uma avaliação ainda mais precisa da incidência da doença por regiões”, disse.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui