Foto: Jornal de Brasília

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia o julgamento da delação do ex-governador do Rio Sergio Cabral a partir desta sexta-feira (21/5). Em razão da pandemia, a sessão acontece virtualmente e deve terminar no dia 28/05, caso nenhum ministro peça vista. O processo tramita sob sigilo.

No dia 14/05, a Procuradoria Geral da República (PGR) posicionou-se contrária à homologação da delação do ex-governador. Na petição, o Procurador frisou a ausência de justa causa para abertura de investigação específica envolvendo autoridades com foro por prerrogativa.

O PGR também contesta a falta de credibilidade das informações prestadas pelo ex-governador e a ausência da participação do Ministério Público (MP), único órgão capaz de propor ações penais, no acordo de delação premiada firmada com a Polícia Federal (PF).

Edson Fachin é o relator do caso e o pautou pouco tempo depois que a Polícia Federal pedir a abertura de inquérito contra o ministro Dias Toffoli por supostas vendas de decisões. Toffoli teria recebido R$ 4 milhões para beneficiar prefeitos do Estado do Rio de Janeiro em processos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Até o momento, votaram os Ministros Edson Fachin, Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso. Fachin e Gilmar Mendes votaram pela invalidação da delação de Cabral. Já Barroso rejeitou o recurso da PGR por entender que a PF pode fechar acordos de delação premiada, sem oferecer benefícios que sejam de prerrogativa do MP.

Costa do mar, do Rio, Carioca, da Zona Sul à Oeste, litorânea e pisciana. Como peixe nos meandros da cidade, circulante, aspirante à justiça - advogada, engajada, jornalista aspirante. Do tantã das avenidas, dos blocos de carnaval à força de transformação da política acreditando na informação como salvaguarda de um novo tempo: sonhadora ansiosa por fazer-valer!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui