Gordinhos cariocas, regojizai-vos! No último dia 11/12, a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, julgou improcedente o recurso extraordinário apresentado pela Prefeitura do Rio de Janeiro contra a Lei n° 5.859/2015, de autoria do vereador Eliseu Kessler (PSD), que determina o atendimento prioritário e a acessibilidade de pessoas com obesidade, obesidade severa ou obesidade mórbida aos serviços dos estabelecimentos bancários, comerciais, órgãos públicos e outros serviços que importem atendimento através de filas, senhas ou outros métodos similares. A Prefeitura ainda pode recorrer dessa decisão.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

A lei havia sido promulgada em 2015, após os vereadores derrubarem o veto total do Poder Executivo ao projeto de lei que deu origem à legislação. A Prefeitura do Rio recorreu ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ/RJ) alegando que a lei apresentava vício de iniciativa por criar atribuições a órgãos públicos, atividade esta privativa do chefe do Poder Executivo. No entanto, em 2017, os desembargadores do TJ/RJ julgaram improcedente a representação de inconstitucionalidade apresentando, então, recurso ao STF.

Eliseu Kessler acredita que o Poder Público precisa desenvolver ações que ofereçam soluções para resolver o problema desta parcela da população que sofre com a obesidade. “Atender a todos os obesos exige o esforço de identificá-los e o dimensionamento da estrutura pública de serviços de saúde, e essa atribuição pertencente ao Poder Executivo“, pontuou.

A legislação determina que sejam criadas senhas prioritárias e atendimento especial que evite, ao máximo, o deslocamento e a permanência dos obesos em pé. Os estabelecimentos também devem destinar, no mínimo, um assento com dimensão, resistência e conforto compatíveis com o índice de massa corporal (IMC) de todos os graus de obesidades, em área identificada visualmente como sendo exclusiva para essas pessoas.

A lei prevê, ainda, que prédios públicos ou privados que sejam controlados por roletas ou catracas disponibilizem acesso especial para as pessoas obesas, em todas as áreas de acesso.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui