Policial militar participa de operação em favela na zona sul do Rio de Janeiro (Foto: José Lucena)

De acordo com a pesquisa de Índice de Progresso Social (ISP) da cidade, realizada pela Prefeitura do Rio de Janeiro e analisada pelo Instituto Rio21, o índice de direitos individuais do carioca caiu no último ano. A série histórica, que observa os anos de 2016, 2018 e 2020, atingiu seu auge em 2018, quando pontuou 68,06. No período seguinte, em 2020, esse valor havia diminuído para 54,33, exibindo uma queda de 13,73 pontos.

Índice de direitos individuais, por ano. Fonte: Prefeitura do Rio de Janeiro. Elaboração: Instituto Rio21

O índice de direitos individuais é medido de acordo com a performance do município em 4 áreas: mobilidade urbana, tempo médio de deslocamento, participação política e violência policial.  No caso da mobilidade urbana, os dados apontam para uma melhora significativo nos últimos 5 anos. A proporção da população que vive em um raio de 1 km de uma estação de acesso a um meio de transporte de massa, seja metrô, trem, BRT ou VLT, foi de 34,70%, em 2016, para 57,79% em 2020. Um aumento de 23,09 pontos percentuais.

Proporção da população que vive em um raio de 1 km de uma estação de acesso a um meio de transporte de massa (metrô, trem, BRT e VLT), por ano. Fonte: Prefeitura do Rio de Janeiro. Elaboração: Instituto Rio21.[1]


[1]  A Prefeitura do Rio de Janeiro construiu o indicador de mobilidade urbana a partir de dados do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP) dos anos 2014, 2017 e 2019.

Por sua vez, o tempo médio, em minutos, gasto no deslocamento entre residência e atividade principal se manteve constante. Em todos os períodos observados a média foi de 28,83 minutos. Contudo, essa estabilidade se deve à falta de informação. A Prefeitura do Rio de Janeiro construiu o indicador de tempo médio de deslocamento a partir de dados do Plano Diretor de Transporte Urbano (PDTU) de 2012, que é o estudo mais recente sobre o tema. Desde então, não foram promovidas pesquisas que buscassem atualizar esses dados.

Tempo médio em minutos, gasto no deslocamento entre residência e atividade principal, por ano. Fonte: Prefeitura do Rio de Janeiro. Elaboração: Instituto Rio21

Já a taxa abstenção política, sofreu um pequeno aumento em 2020. Considerando o número de votantes nas duas últimas eleições e o número de eleitores aptos para votar, o índice de não participação política ficou por volta dos 21% em 2016. Em contraste, em 2020 esse valor foi para 24,79, uma diferença de 3,38 pontos percentuais.

Taxa de abstenção nas últimas eleições federais e municipais, por ano. Fonte: Prefeitura do Rio de Janeiro. Elaboração: Instituto Rio21

De modo semelhante, a taxa de homicídios por ação policial também se elevou. Em 2016, 4,4 indivíduos a cada 100 mil habitantes perdiam a sua vida devido intervenções policiais. Em 2018, esse número aumentou para 7,65 pessoas a cada 100 mil habitantes. Já em 2020, esse número mais que dobrou, em comparação com 2016, atingindo o valor de 11,1 homicídios por ação policial a cada 100 mil habitantes.

Taxa de homicídios por intervenção policial a cada 100 mil habitantes, por ano. Fonte: Prefeitura do Rio de Janeiro. Elaboração: Instituto Rio21.[2]



A Prefeitura do Rio de Janeiro construiu o indicador de homicídios por ação policial a partir de dados do Instituto de Segurança Pública dos anos 2015, 2017 e 2019.


3 COMENTÁRIOS

  1. É a INDÚSTRIA DO COMBATE AO TRÁFICO faturando a cada dia mais com esta guerra insana.
    Enquanto isto, o consumidor de drogas ilegais é mimado pela justiça, estimulando o aumento do tráfico.
    Enquanto isto, os laboratórios farmacêuticos também lucram bilhões com o aumento de antidepressivos e outros tarja preta, legalizados pelas receitas médicas.
    Está claro que a proibição somente aumenta o valor agregado para o traficante e estimula-os à conquista de novos mercados.
    Consequentemente, mais pessoas serão estimuladas ao consumo.
    Um círculo vicioso perverso para a sociedade e um círculo virtuoso para os que faturam com o tráfico e seu combate inócuo…

  2. Acho engraçado o gráfico da Taxa de abstenção nas últimas eleições federais e municipais, por ano, de 2018 a 2020: sobe de 20,93% para 24,73% , mas o desenho mais que triplicou de tamanho, está completamente desproporcional, isso é manipulação visual ou mau-caratismo, é assim que manipulam as estatísticas, as pessoas gravam o mais o que estão vendo, dá impressão que triplicou, quando na realidade aumentou apenas 18%. Fora isso, a taxa de letalidade subiu porque o bandidos estão mais fortes e%. armados, não se tirou as armas dos bandidos, apenas do cidadão de bem, além disso os partidos de esquerda boicotam todas as medidas legislativas que visam aumentar as penas dos crime, a impunidade está com toda força. Policias negros morrem todos os dias e ninguém diz que os traficantes são racistas. é tudo invertido, os traficantes atiram nos moradores quando a polícia chega, quem conhece os morros sabem disso. Como atualmente os maconheiros não são mais presos e sentenciados, uma sinistra do STF declarou recentemente que fumar a erva não é crime, então não vai ter solução NUNCA!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui