Reprodução: Internet

Os mais de 500 funcionários da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), que trabalham na Central do Brasil, foram pegos de surpresa por uma decisão do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), que determinou que as áreas administrativa e de logística da companhia passem a funcionar em Brasília(DF). A medida obriga os funcionários da companhia a se mudarem para a capital do Brasil. As informações são do “RJTV1”, da “TV Globo”.

E as alternativas para quem não aceitar a transferência não são nada boas: pedir demissão ou ser demitido. Os empregados da CBTU têm até sexta-feira (15/01) para decidir entre uma mudança brusca de vida ou o desemprego. Para quem aceitar a mudança, o MDR promete uma ajuda de um salário mínimo até o funcionário encontrar um lugar para ficar.

O diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil, Alexandre Bruno, afirmou que a transferência, além de arbitrária, desconsidera a situação dos servidores com mais de 60 anos, durante a pandemia. Alguns deles já estão prestes a se aposentar. A Justiça já começou a ser acionada por um grupo de funcionários da CBTU.

Em entrevista ao RJTV1, Alexandre Bruno declarou: “As pessoas não querem ser demitidas. Se a empresa quer fazer uma demissão, tem que fazer com todos os direitos. Precisa dar um tempo para as pessoas se ampararem”.

MDR quer cortar gastos

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Regional, a decisão de transferência a sede da CBTU para Brasília se deu por uma questão de economia, especialmente com manutenção e administração de imóveis.

Ainda segundo o Ministério, 354 funcionários estão sendo notificados. Eles poderão decidir em se aposentar ou serem demitidos com parte dos direitos e sem justa causa.

Outros 170 funcionários não serão transferidos, pois estão cedidos a outros órgãos federais com sede no Rio de Janeiro.

6 COMENTÁRIOS

  1. Não consegui entender para que levar para o tumulto que é Brasília órgão que não é do governo central como o IME eoutros é inchar a cidade atoa

  2. Ou seja, estão tirando todos os órgãos públicos e pessoal do Rio de Janeiro…
    Alguns já foram transferidos e outros a transferência está pautada: Eletrobras, Furnas, Instituto Militar de Engenharia (IME)
    – e também privados, como a FGV…

  3. Governo Federal devia destinar aquele imenso prédio da RFFSA para alguma coisa de útil, que produza: uma empresa poderia fazer um ótimo uso e acabar por vez revitalizando a área. Hoje a RFFSA é apenas uma gestora de ativos podres, em liquidação – esse tipo de papelada também poderia ir pra Brasília.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui