Foto: Psol/RJ

O assassinato brutal de vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes completa três anos neste domingo (14/03) cercado de incertezas e com o sentimento geral de impunidade. Em pleno 2021, ainda não se sabe quem matou e quem foi o mandante do atentado.

As investigações do crime apontam já apontaram quem forma os executores e afirmam ter descobertotodocaminho que culminou na tragédia ocorrida na noite de 14 de março de 2018, no bairro do Estácio, na região central do Rio.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz como os assassinos de Marielle e de Anderson. Os ex-PMs, presos nas penitenciárias federais de Campo Grande e de Porto Velho, vão a júri popular, ainda não marcado.

Vereadora que lutava pelos direitos humanos, inclusive de agentes de segurança, Marielle inspirou toda uma geração de jovens políticas que seguem atuando para garantir vida melhor para as pessoas menos assistidas pelo Poder Público.

MPRJ institui Força-Tarefa para investigação da morte de Marielle Franco e Anderson Gomes

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) instituiu na última sexta-feira (12/03) uma força-tarefa para investigar a morte de Marielle Franco e Anderson Gomes. Entre os objetivos da medida está um acordo com o facebook, para que a empresa disponibilize dados, que possivelmente poderão ajudar na busca dos mandantes do crime.

O acordo foi proposto pelo próprio Facebook. As tratativas começaram com a solicitação da plataforma para que o MPRJ avaliasse a possibilidade de redução do lapso temporal das quebras de sigilo determinadas pela Justiça e que abrangem o período de 01/01/2017 a 15/03/2019. O MPRJ afirma que é possível, inicialmente, reduzir o período para 01/01/2018 a 14/04/2018, sem que isso implique na renúncia do Ministério Público à obtenção das informações relativas a todo o período.

Vereadora ganhará estátua no Rio

No último dia 4 de março um movimento de internautas pedia uma estátua de Marielle Franco no Rio de Janeiro. A escultura seria feita por Edgard Duvivier, autor de diversas estátuas famosas, como Clarice Lispector, Garrincha, Pelé e Mujica. A iniciativa foi apoiada pelo Instituto Marielle Franco.

O Instituição lançou uma vaquinha virtual de R$ 50 mil para ajudar na construção do monumento. Até o momento da publicação desta matéria, já havia sido arrecadado o valor de R$ 25.213. Além disso, o Instituto também será responsável por cuidar da manutenção da estátua, com pose e local ainda a definir.

4 COMENTÁRIOS

  1. Dois anos e meio depois da tentativa de assassinato do então candidato a presidência da república, ainda não se sabe quem foram ou são os mandantes e financiadores do crime. Apesar de ser um crime facilmente resolvível se periciarem os equipamentos eletrônicos do esfaqueador, até o momento a perícia não foi feita.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui