Foto: Reprodução Internet

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou na sessão desta terça-feira (10/09), a cassação dos mandatos de Rosinha Matheus (Patriota) e de Francisco de Oliveira, ex-prefeita e ex-vice-prefeito de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, em 2015, pela prática de abuso de poder político e uso indevido de meios de comunicação na campanha eleitoral de 2012. A decisão também manteve a inelegibilidade dos dois políticos por oito anos a contar de 2012.

Os ministros do TSE negaram três recursos propostos por Rosinha e Francisco contra as sanções aplicadas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ). Eles votaram ainda pelo provimento de recurso apresentado pelo Ministério Público Eleitoral (MPE).

Acompanharam, na íntegra, o voto do relator Herman Benjamin, os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin e a presidente do tribunal, a ministra Rosa Weber.

Em seu voto, Herman Benjamin, ao rejeitar os recursos interpostos por Rosinha e Francisco, endossou a decisão do TRE-RJ, que constatou abusos no desvirtuamento da propaganda institucional do município, veiculada no site da prefeitura de Campos.

De acordo com o MPE, a publicidade institucional teria propagado obras feitas pela administração municipal como se fossem realizações pessoais de Rosinha, com o único objetivo de promover a reeleição ao cargo.

O relator também votou pelo provimento do recurso do Ministério Público Eleitoral. Na ação, o MPE acusou os dirigentes municipais de contratarem 1.166 funcionários temporários para a prefeitura em julho de 2012, ou seja, em período vedado pela legislação eleitoral. O TRE-RJ havia rejeitado a investigação judicial eleitoral do MPE sobre essa questão, por considerar que as contratações teriam ocorrido em data não proibida pela legislação.

No último dia 3, Rosinha Matheus e Anthony Garotinho foram presos pela Operação Secretum Domus, deflagrada na capital e em Campos dos Goytacazes, pelo Ministério Público estadual (MPRJ).

De acordo com a denúncia, aceita pelo juízo da 2ª Vara Criminal da Comarca de Campos dos Goytacazes, o casal recebeu propinas no valor de R$ 25 milhões, como resultado de superfaturamento de R$ 62 milhões nos contratos, que somaram quase R$ 1 bilhão para a construção de casas populares nos programas Morar Feliz I e Morar Feliz II, durante os mandatos de Rosinha, de 2009 a 2016, na prefeitura de Campos.

As investigações indicaram que o segundo projeto não chegou a ser concluído. No dia seguinte, o casal foi colocado em liberdade por determinação do desembargador Siro Darlan, do plantão judiciário, do Tribunal de Justiça do Rio.

As informações são do portal da Agência Brasil

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui