Foto meramente ilustrativa (Reprodução Redes Sociais)

O Rio de Janeiro não é para amadores. A célebre afirmação que ganhou fama na internet nos últimos tempos, por conta de situações inusitadas que só acontecem na “Cidade Maravilhosa”, ganhou mais um mais capítulo, triste dessa vez, nesta segunda-feira (14). Isso porquê três ambulantes foram presos em Copacabana, na Zona Sul do Rio suspeitos de aplicar o “golpe da maquininha”, cada vez mais comum, em duas polonesas.

As turistas compraram espetinhos de camarão no valor de R$ 40 e pagaram no cartão de crédito, mas não conferiram o valor na máquina no ato de finalizar a compra. Momentos depois, elas receberam uma mensagem no celular informando que R$ 10 mil haviam sido cobrados.

As europeias procuraram agentes da Guarda Municipal e policiais que conseguiram prender os vendedores. Eles foram reconhecidos pelas vítimas e levados para a delegacia.

17 COMENTÁRIOS

  1. Estranho passar dez mil e continua r vendendo pela Praia . Talvez tenha sido erro. De digitação . Povo adora julgar e essa matéria tá bem tendenciosa . Fala como que só rio existissem malandragem , .

  2. Elas deveriam ter visto a máquina antes de passar o cartão, e se o vendedor errou ? E não foi por intensão ?
    Dps de fazer 10 mil, eles poderiam ir pra casa e pq ele continuou vendendo ?

    Sigam @bastaterprincipios

  3. Ratos e malandros não são exclusividades do Rio de Janeiro. Tal afirmação, é de uma ingenuidade tão grande quanto a dessas turistas. Vide Brasília, lá que eles se reúnem, vindo de todos os cantos do país.

  4. Infelizmente o Rio de Janeiro se tornou, há muito tempo, uma cidade sitiada, se não é pelo tráfico, é pela milícia, se não é pela milícia é pór manés que acham que são malandros. Tem que avisar pra eles que malandro é malandro e mané é mané.
    Ainda bem que em breve estou saindo daqui. ???

  5. Uma pena esta situação… mancha ainda mais a imagem do Rio. Mas O exemplo vem de cima. Esperar o que de quem esta no final da cadeia alimentar?? Se houvesse pena de morte ou corte de mão poderosos não seriam alcançados, como sempre!!

  6. O exemplo vem de cima. Esperar o que de quem esta no final da cadeia alimentar?? Se houvesse pena de morte ou corte de mão poderosos não seriam alcançados, como sempre!!

  7. Não estou defendendo os ambulantes, mas…
    Fui em um depósito de gás e comprei dois butijões, totalizando R$150,00.
    Quando cheguei em casa e fui conferir a notinha, eu havia pago 15 mil reais.
    O erro foi meu em digitar sem olhar?
    O erro foi do cara que botou 2 zeros a mais?
    O cara faria isso de propósito, se ele não tem como sair do lugar?
    Fui lá, mostrei a nota, expliquei e o dinheiro foi estornado…
    SIMPLES.
    Ah, e só pra lembrar, não sou turista polonês, sou Carioca.
    ¯\_(?)_/¯

  8. Roubou e foi pego? Corta uma mão.
    Porque prender pra soltar e fazer novamente já é padrão brasileiro.

    Roubou novamente? Corta a outra mão. Aí sim vai virar “vítima da sociedade”.

    Vagabundos fantasiados de “trabalhador”.

    Não aguentamos mais essa injustiça às pessoas de bem.

    Quem não deve não teme.
    Pena de morte já!!

  9. Na questão dos ambulantes de praia que trabalham com alimentos. Não é só a falta de caráter. Mas também é um caso de saúde pública. Alimentos e bebidas servidos sem nenhuma higiene.

  10. Uma pena o Rio de janeiro estar cercado de malandros. Desse mau eu não sofro. Ainda bem que eu não nasci com esse espírito de esperteza e malandragem, apesar de ser da zona norte, pobre e etc… Entre roubar alguma coisa de alguém a ir morar embaixo da ponte, eu sinceramente prefiro a segunda opção. Além de não ligar muito pra dinheiro, não sei qual é o prazer em tomar de alguém. Enfim… Espero que algum dia isso aqui melhore.

  11. Quem maltrata ou golpeia turistas deveria ter penas especiais e maior dureza de tratamento. Esse é um tipo de larápio que deixa marcas profundas nas vítimas de modo que elas NUNCA mais voltam e ainda fazem propaganda contra a cidade e o país.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui