Vale a pena reformar a ciclovia Tim Maia?

Após as fortes chuvas desta segunda e terça-feira, mais uma vez, a ciclovia Tim Maia, que fica na Avenida Niemeyer, desabou mais uma vez. É a quarta ocasião que isso acontece desde que a mesma foi inaugurada, em 2016.

A primeira vez foi, em 2016. Duas pessoas morreram. A segunda ocorreu em fevereiro de 2018. Depois, fevereiro de 2019. E, por fim (será?), nesta mais recente chuva.

<

As prefeituras, tanto a de Eduardo Paes (era ele o prefeito tanto no período da construção quanto no primeiro desabamento) e a de Crivella tentaram amenizar o problema. Não dá mais para fazer vista grossa. Algo precisa mudar em relação a isso. Em três anos foram quatro desabamentos. Vale a pena reconstruir essa estrutura mais uma vez?

Minha opinião é que, infelizmente, não vale. A ideia de uma ciclovia naquele trecho da cidade – que é lindo e seria ótimo para a mobilidade urbana no Rio – é boa, mas foi tudo feito sem uma estrutura digna para tal. Vidas ficam em risco. Por isso, não vale a pena. Não mesmo.

Contudo, também não é justo o contribuinte pagar pela demolição da mesma. Os responsáveis deveriam arcar com os gastos dessa operação. O que dificilmente vai acontecer.

O que não dá para continuar acontecendo é essa obra seguir colocando vidas em risco como se tudo estivesse bem, quando sabemos que não está. Não mesmo.

11 COMENTÁRIOS

  1. – Obra construída sem planejamento e com estrutura inadequada, deve ser reconstruída pelo responsável na execução do projeto feito nas coxas, sem danos aos cofres públicos. Informações consta que foi executada por parentes do ex prefeito “Eduardo paes” e com finalidades eleitoreiras.

  2. Toda obra seja uma compra de um imóvel novo ou do setor público não tem uma garantia de reparo caso não seja possível , retorno então do dinheiro de volta se não for possível reparar?

  3. Solução: mão única na faixa interna da Niemeyer, com inversão dependendo do horário. Na faixa próxima ao mar a ciclovia. Mas não dura muito. A tendência geológica é descer tudo o que cobre o granito. Sem falar em desmatamento e construções que pioram a situação. O resto é mimimi.

  4. O IDEAL PARA A CICLOVIA TIM MAIA ——– Sou do Rio – Sim fazendo direito vale a pena. Se você tem um volume de água projetada com força direto por baixo de uma estrutura perpendicular voce tem que ter obrigatóriamente uma estrutura em vértice de 30 a 40 graus para poder desfazer o impacto do volume de água sob a estrutura ou altear a pista, o que acho negativo, porque se a onda for maior que esta que derrubou a estrutura com certeza derrubará a próxima. Então esse quebra onda é necessário. A Estrutra por debaixo da pista seria essa V vista de perfil, inclinado o vértice de acordo com a projeção do volume de água, tem que se descobrir o centro desse volume de água para saber a perpendicularidade real da posição do vértice com o movimento da água (vide figura na minha página do face “alexgermanoas” ).
    Um erro bastante parecido foi cometido na transposição do Rio São Francisco, foi uma obra não pensada não planejada, talvez uma obra eleitoreira, não se levou em conta vários fatores que tornaram a transposição um grande fiasco por não atender da forma como deveria. Foi um projeto feito de qualquer maneira. A transposição da forma feita terá obrigatoriamente uma manutenção ad eternum além de um altíssimo custo para se detetar onde está o rompimento, além do desperdício de volume dágua até achar o pedaço destruído pela força das águas. (copywriting alexgermano)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here