Vassouras pode se tornar referência em turismo cinematográfico no Rio

Durante o Festival de Cinema de Vassouras de 2022, painéis com representantes do turismo e do cinema promoveram o debate sobre cenário atual

Foto: Rosanetur

O Rio de Janeiro é um dos protagonistas quando se fala de cenários e locações cinematográficas, não só na capital como no interior. Dois painéis no Festival de Cinema de Vassouras promoveram um debate, nesta semana, sobre a importância do turismo cinematográfico para o desenvolvimento econômico dos municípios da região do Vale do Café fluminense. 

O painel foi realizado no Centro Cultural Cazuza, no Centro de Vassouras, e contou com a presença de secretários de turismo, representantes da indústria local e regional, da Embratur e do deputado estadual Gustavo Tutuca. A mediação foi feita pela atleta e comunicadora, Danielle Hypolito

Entre os principais pontos do debate, estava a importância do Festival de Cinema para fazer de Vassouras uma referência no audiovisual. Tutuca pontuou que o festival é mais um atrativo do Rio de Janeiro, pois não é só o interior que se beneficia disso, mas a capital também. “O turista que já foi ao Corcovado, Pão de Açúcar, praia de Copacabana, começa a querer procurar lugares próximos. Esse casamento da capital com o interior é fundamental, e os eventos ajudam muito na promoção do estado, na consolidação do destino e na melhoria dos serviços”, explicou. 

Na primeira quinzena de maio, a agência de fomento do audiovisual da cidade de São Paulo, SPCine, revelou que o audiovisual tem impacto econômico na vida de 1,5 bilhão de paulistanos, movimentando diretamente cerca de R$ 5 bilhões, gerando cerca de 210 mil empregos. A especialista em Film Commission, Tatiana dAngello, explicou que esse número tende a crescer ainda mais com a expansão das plataformas de streaming. 

Quando você traz uma filmagem de grande porte, você já impacta na hora. Primeiro, vem uma pré-produção que analisa como é a cidade, onde vai ser gravado, rede hoteleira recebendo, a gastronomia. No segundo momento vem a produção para a cidade, e então precisa de figurantes, staff, hotel, figurino, toda uma cadeia que vai ser movimentada. Em terceiro lugar, vem a visibilidade do local, e quando uma obra é exibida em algum lugar, as pessoas sonham junto”, detalhou Tatiana sobre os principais pontos de impacto do audiovisual no âmbito do turismo cinematográfico. 

No mesmo sentido, Guilherme Abreu, presidente da Federação de Convention Bureau do estado do Rio de Janeiro, comentou que é uma grande satisfação assistir o sucesso do festival de cinema no Vale do Café. “Um evento como esse movimentou toda a região, os hotéis de Vassouras estavam lotados e por isso muitas pessoas buscaram os municípios vizinhos para se hospedarem e participar do evento”, afirmou. 

Entre os convidados dos painéis de turismo cinematográfico estavam ainda Paulo Roberto, dono da Fazenda Florença, Antônio Mariano, secretário municipal de turismo do Rio de Janeiro, Wanderson Farias, secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Vassouras, Sérgio Ricardo, presidente da TurisRio, Camila Souza da Embratur e Aline Arantes, diretora de turismo da prefeitura de São José dos Campos.

Jornalista, produtora e apresentadora do podcast cineaspectos. Como amante do cinema, ficou imersa em roteiros fantásticos, conheceu a beleza dos filmes de máfia e os incompreendidos dramas europeus. Sara adora desbravar a singularidade do cinema brasileiro, e acompanha de perto os principais festivais e mostras ao redor do mundo.
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui