Após vistoria no Instituto Jorge Vaitsman (IJV) nesta terça-feira (20/07), popularmente conhecido como Hospital Veterinário da Mangueira, o presidente da Comissão de Saúde Animal da Câmara RJ, o vereador Dr. Marcos Paulo(Psol), constatou que desde abril deste ano animais que precisam de cirurgias de emergência no Rio de Janeiro não estão recebendo tal atendimento.

Mesmo com os casos e internações de Covid em queda na cidade, as cirurgias veterinárias seguem paralisadas desde abril, por falta de insumos. Hoje um animal que é atropelado nas ruas e chega precisando de uma cirurgia de emergência acaba morrendo”, ressalta Dr. Marcos Paulo, que recebeu da direção do IJV a informação de que a compra emergencial de novos insumos já foi autorizada, mas ainda não há prazo para chegada de novos anestésicos e medicamentos.

O presidente da Comissão de Saúde Animal chama a atenção para o fato de o IJV não ser um hospital. O vereador tem sido incisivo na cobrança de mais investimentos da prefeitura em políticas públicas de assistência veterinária no RJ:

“O número de animais nas ruas e residências só aumenta na cidade e até hoje o RJ não possui um hospital público veterinário. O IJV é um instituto de zoonoses, não é hospital, faz poucas cirurgias, e mesmo assim cobra preços populares da população. Hoje, com a falta de insumos, os animais estão abandonados à própria sorte na cidade. Precisamos, com urgência, de um hospital veterinário público totalmente gratuito e com capacidade para atender a emergências”, reforça Marcos Paulo, lembrando que a capital paulista possui 4 hospitais públicos veterinários e o RJ segue sem nenhum.

A Secretaria Municipal de Proteção e Defesa dos Animais – SMPDA – informa que o Instituto Jorge Vaitsman (IJV) é ligado à Secretaria de Saúde e que toda parte de anestésico está sendo utilizada no combate à Covid-19, por isso, procedimentos cirúrgicos não estão podendo ser realizados nos animais.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Felipe Lucena

Felipe Lucena é jornalista, roteirista, redator, escritor, cronista. Filho de nordestinos, nasceu e foi criado na Zona Oeste do Rio de Janeiro, em Curicica. Sempre foi (e pretende continuar sendo) um assíduo frequentador das mais diversas regiões da cidade do Rio de Janeiro.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui