Foto: Reprodução/ Instagram@eujuhcampos

A vice-Miss Bumbum, Juh Campos, afirmou ter sido vítima de racismo no Hotel Hilton, em Copacabana, na Zona Sul da cidade, uma das redes mais luxuosas do Rio. A modelo alega que estava com uma amiga trans e não foi atendida na recepção do local.

Eu tinha uma reserva, inclusive já paga, para mim e uma amiga trans. Quando chegamos na recepção, fomos impedidas de nos hospedar sem uma explicação e sem uma justificativa. Eu só queria pagar e acessar a área do restaurante, porque eu tinha passado o dia sem me alimentar direito. Mas eles nos enrolaram até o horário do restaurante fechar e não conseguimos acessar a área”, disse.

Abalada após a repercussão do caso nas redes sociais, Juh Campos gravou um vídeo, onde agradeceu as mensagens de apoio dos internautas e sugeriu um boicote ao hotel:

“Me senti ofendida, diminuída, humilhada. Eu ofereci uma solução para fazer o pagamento da diária o quanto antes e eles não aceitaram, só porque eu queria acessar o restaurante também. O funcionário me olhava de forma baixa, não aceitava que uma mulher negra estivesse ali. Não queria nada de graça. Eu estava pagando, e caro”.

Ela ainda revelou a intenção de entrar na justiça contra o hotel. “Não vou ficar calada, vou lutar por justiça”. Juh Campos disse que entrou com a ação junto ao advogado, por danos morais: “Vão arcar com o que fizeram comigo, isso ninguém merece“.

Em comunicado, o hotel Hilton deu sua versão do episódio, negando que houve racismo.

A reserva foi efetuada por meio de uma conhecida plataforma online de reservas pertencente a terceiros. Para todos os usuários dessa plataforma, sem exceção, não há cobrança antecipada da hospedagem, de modo que os valores relativos à reserva devem ser pagos diretamente no hotel. Dito de outra forma, os bloqueios de apartamentos operacionalizados nessa plataforma são sempre considerados pelo Hotel como “reservas não pré-pagas”.

Nestes casos, a rigor, o procedimento do Hotel consiste em solicitar o pagamento de todo o período de hospedagem no momento do check-in. No caso da Sra. Juliana, como ela não estava acompanhada da pessoa que realizaria o pagamento de toda a hospedagem, e, solicitava acesso imediato ao quarto, a Equipe do Hotel compreendeu a situação de excepcionalidade e aceitou o pagamento apenas da primeira diária. A hospedagem ocorreu normalmente, mediante prestação de todos os serviços contratados.

Hilton tem tolerância zero para o racismo ou qualquer forma de discriminação. Nosso objetivo é ser um ambiente de hospitalidade para todos os que entram por nossas portas”.

3 COMENTÁRIOS

  1. Acho estranho perceber que tudo hoje em dia é racismo, entender as normas e regras de instituições privadas ou públicas, hoje em dia parece não ter mais valor. A degeneração social chegou neste ponto? As regras e normas são para TODOS, inclusive vice-Miss Bumbum.

  2. É muito triste os golpes de hoje em DIA, tudo transforma em descriminação/ racismo, apenas para ganhar dinheiro.
    Assim como as drogas só existem, porque há quem compra, assim é essa imundície atual, enquanto a justiça miserenga e corrupta der causa ganha a essas pior Peste Pandemica , continuarão às falsas acusações ????

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui