Lembra das Olimpíadas e daquele bonde moderno? Pois é, o VLT completou 3 anos que começou a circular no Centro e Região Portuária do Rio. Hoje, o sistema que conta com 92% de aprovação dos usuários (N.E: menos do Crivella… que nunca deve ter andado de VLT), segundo pesquisa realizada pelo Datafolha, já transportou mais de 42 milhões de passageiros, em mais de 380 mil viagens realizadas. Diariamente, cerca de 80 mil pessoas andam de VLT nas 530 viagens do sistema, que conta com 2 linhas e 26 paradas em operação.  No último ano, com as duas linhas em funcionamento, o VLT apresentou um crescimento de 35% no número de passageiros transportados.

Para concluir o sistema, a concessionária ainda aguarda autorização da Prefeitura para operar a Linha 3, trecho que ligará a Central do Brasil ao Santos Dumont, via Av. Marechal Floriano em dez paradas. Serão três novos pontos de embarque no percurso: Cristiano Ottoni-Pequena África (na praça de mesmo nome, também na região da Central), Camerino-Rosas Negras (na Marechal Floriano, próxima à rua de mesmo nome) e Santa Rita-Pretos Novos (também na Marechal Floriano, à altura da igreja homônima). Os nomes contam com homenagens a ícones da cultura africana, batizados em consenso com o Iphan e entidades do movimento negro e sociedade civil.

Vale destacar também que ao longo desses três anos, a taxa de evasão gira em torno de 11 a 13%, número bem inferior ao de sistemas europeus, por exemplo. Além de ter se consolidado no dia a dia dos cariocas, o projeto também faz parte do cenário turístico da cidade. Só nos finais de semana, são mais de 40 mil passageiros. Os VLTs já somam também longa estrada percorrida. São quase 2 milhões de quilômetros rodados. São mais de 5 vezes a distância entre a Terra e a Lua, por exemplo. Por dia, as composições percorrem em média 2.800 km, ou mais de 6 vezes a distância entre Rio e São Paulo.     

Pao-do-Ouvidor
Cada vez mais, o Shopping Paço do Ouvidor se fortalece como ponto de encontro no Centro do Rio. Passa no Paço.

O presidente do VLT Carioca Marcio Hannas destaca ainda a característica sustentável do projeto. “Um VLT é capaz de retirar mais de 300 carros das ruas, o que além de melhorar o trânsito no Centro da cidade, ainda é uma alternativa de mobilidade sustentável, já que utiliza apenas fontes de energia renovável”, explica.

Entre as paradas e estações, o maior movimento está na Central, que reúne conexões com metrô, trens e terminais de ônibus municipais e intermunicipais e representa em média 13% do fluxo de passageiros. Entre as paradas de maior fluxo estão também Colombo (integração entre linhas do VLT) e Santos Dumont (aeroporto), que confirmam a vocação integradora do projeto. Além delas, completam as cinco primeiras as paradas Museus e Navios, na região revitalizada do Boulevard Olímpico.    

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui