Wagner Victer: voos para o norte fluminense saindo do Santos Dumont não serão mais cancelados

O Rio de Janeiro tem que saber agir firme e não se curvar a discursos temporais e armadilhas oportunistas

Foto: Divulgação

Muito boa a notícia de que a Azul irá manter os voos para o Norte Fluminense, saindo do Aeroporto Santos Dumont.

É importante destacar o fruto de uma mobilização que aconteceu por algumas entidades (ACRJ, FECOMÉRCIO, FIRJAN, RIO INDÚSTRIA) e por parlamentares (Senador Carlos Portinho e Deputado Federal Christino Áureo). Assim chegou-se a esse resultado positivo.

A postura do Presidente da ALERJ, André Ceciliano, foi decisiva e apresentou o absurdo que seria a descontinuidade desses voos, seus impactos para economia e a total falta de coordenação da ANAC.

Temos que tomar bastante, porém, cuidado para que essa manutenção dos voos a Azul ou pela ANAC, não venha com uma “conversa fiada” de querer reduzir o ICMS para os voos do Aeroporto Santos Dumont, para que eles façam o que já deveriam fazer.

A alíquota do ICMS do Querosene de Aviação (QAV), já foi bastante reduzida no Rio de Janeiro, da ordem de 12%, muito abaixo do que alíquota de uma série de outros produtos inclusive da redução da gasolina, obtida recentemente por uma ação no Congresso Nacional.

O que foi feito para o RIOGaleão após meses de debates, com proposta do executivo e envolvimento de longas discussões na ALERJ foi uma criação de um diferencial de redução de ICMS para o QAV, para aeroportos que faça um HUB e com isso para atrair voos internacionais e conexões, que no caso se aplica ao Aeroporto do Galeão e outros até aeroportos no interior.

Ou seja, não foi feito uma redução geral de ICMS para o QAV e sim uma ação de política econômica, para induzir progressivamente essas transferências e fortalecimento de um Hub, e, logicamente, em todos os debates era fato de que os resultados seriam obtidos em médio ou longo prazo e não em curtíssimo prazo. Até, porque, se demorou mais de um ano para ser regulamentado pelo Governo do Estado, além de existir uma grande burocracia para as empresas requererem o benefício à Secretaria de Fazenda para terem a devida fruição.

Portanto, não podemos por conta de interesses pontuais e eventuais lobbys de companhias, como parece que está acontecendo, desmontarmos toda uma lógica de discussão de políticas econômica setorial e até eventualmente nos submetermos a ações que podem soar como eventuais “chantagens baratas” de algumas companhias ou órgãos.

O Rio de Janeiro requer uma ação coordenada por parte da ANAC e uma limitação de voos no Santos Dumont para algo perto de 5 à 6 milhões de passageiros por ano, de maneira muito clara e limitando o tipo rotas, o que não é nenhuma jabuticaba, é exatamente o que Minas Gerais fez com Pampulha e Confins, e o resultado foi muito positivo, mas, para consolidar esse resultado em MG, não pode comprometer a uma lógica para desenvolver um Hub com isso fortalecer o Rio de Janeiro, que tem sido enfraquecido por lobbys empresariais de aeroportos e outros estados.

O Rio de Janeiro tem que sempre saber agir firme, não se curvar e também não ser trouxa, caindo em discursos temporais e armadilhas oportunistas.

Advertisement

6 COMENTÁRIOS

  1. O RJ está deixando de representatividade no Brasil. A cidade que já foi capital Imperial, Federal e hj fica se desgastando com cidades do interior paulista. Os paulistas estão o tempo todo querendo quebrar com RJ em todos os setores da Economia. Quando eles percebem o crescimento do RJ em algum setor, eles logo se apresentam p prejudicar ou ter fatia do nosso beneficio, temos que ser mais fortes. Eles vem para o RJ se infiltram, conspiram e nos falem.

  2. Sobre Santos Dumont x Galeão: Acredito que se houvesse metrô no Galeão as pessoas iriam escolher o aeroporto como destino. Pelo menos eu iria. Pista maior, estrutura maior, aeroporto novinho (Terminal 2), enfim…

  3. Tá aí,um bom nome pára se candidato a governador do Rio de janeiro nas próximas eleições, apesar de Fluminense mais nem tudo é perfeito, mas esse defende o nosso estado, com vontade e voz ativa, seria o cara ideal pára peitar os acordos,do café com leite,e ás benevolências com os investimentos pára o Sul nordeste e principalmente Brasília quê já levou muito do Rio dê janeiro, inclusive a capital federal,e nada foi reposto,se não tiver políticos comprometidos com o Rio dê janeiro, estaremos fadados ao fracasso total, pois já perdemos o quê foi possível pára o eixo do mal quê emperram o Rio dê janeiro,ou seja a continuação dá política do café com leite e mais os estados citados acima, todos unidos pára deteriorar cada vez mais o nosso desenvolvimento e nossas economias, pôr isso,seria muito bom um cara como o Vagner victer como governador do Rio de janeiro, pois o atual é paulista e o anterior quê foi cassado pensa em voltar e quê também é paulista,eu apoio o victer pára governador.

  4. Não é função da ANAC coordenar voos de ligação – a ANAC fiscaliza. Quem tem que justificar se os voos existem ou não é a economia local. Se tem negócios, não faltará empresa aérea querendo ligar a capital ao interior. Mas se só tiver bolsa família/auxílio brasil, não haverá senador, governador ou câmara de comércio que faça alguém montar a aerolinha.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui