Região da Praça Marechal Hermes, próxima à rodoviária, onde será construído o condomínio - Foto: Reprodução

Um dos grandes objetivos da atual gestão da Prefeitura do Rio de Janeiro é conseguir fomentar o âmbito residencial na região central da capital fluminense, historicamente mais habitada por imóveis comerciais e seus respectivos trabalhadores.

Dando início a esse objetivo, então, será construído, a partir de maio, na Praça Marechal Hermes, no Santo Cristo, bairro da Zona Portuária, um condomínio residencial de baixo custo composto por 3 prédios com 19 andares cada, totalizando 1.200 apartamentos. O empreendimento ficará a cargo da Cury Construtora e Incorporadora.

O projeto, vale ressaltar, já foi apresentado à Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio (CDURP), ligada à Prefeitura.

Em relação à infraestrutura, o novo condomínio contará com área de lazer completa, incluindo piscina e academia de ginástica. Além disso, haverá um rooftop com vista privilegiada para a Baía de Guanabara.

Sobre mobilidade, o empreendimento ficará localizado próximo à Rodoviária do Rio e a duas estações do VLT, o que permite fácil acesso ao Centro e a outras regiões da cidade.

Para Claudio Castro, diretor da Sérgio Castro Imóveis, imobiliária com grande atuação na região central do Rio, faz-se necessário a chegada de empreendimentos residenciais de variados níveis econômicos à região justamente para tentar solucionar a problemática da distância percorrida por profissionais que trabalham no Centro e moram em locais longes, perdendo, assim, um tempo precioso no deslocamento.

”A correta expansão e adensamento da região central só vai ocorrer com o advento de empreendimentos residenciais de todos os níveis econômicos. Esse empreendimento da Cury, que atende a classes mais baixas do que os outros que estão planejados para ocorrer, é uma notícia extremamente auspiciosa, pois vai trazer para o Centro, para uma região que tem 68% das carteiras assinadas do Rio, uma grande população trabalhadora que vai parar de sofrer com a cansativa rotina do trabalho para casa e que vai alimentar com mão de obra as empresas; com público os serviços e comércio; e com vida as áreas históricas e culturais do Centro. É um grande passo para o projeto total da Zona Portuária”, diz Claudio.

O primeiro prédio do conjunto habitacional, com 470 estúdios e apartamentos custando entre R$ 240 mil e R$ 450 mil, deverá ser lançado em maio.

Atualmente a região do Porto Maravilha é composta por aproximadamente 30 mil habitantes. No entanto, há projeção para que esse número aumente, em um futuro próximo, para cerca de 400 mil.

A Cury comprou o terreno onde será erguido o empreendimento por 19 milhões de reais, e ele pertencia ao Fundo Portuário da Caixa Econômica Federal.

27 COMENTÁRIOS

  1. Esse valor é baixa renda pro prefeito, para a população sem trabalho, sem perspectiva devido a roubalheira .
    250,000 e 450,000 é pra baixa renda aonde.
    Me poupe !!
    Sem contar que a falta de segurança alí é terrível.

    • Desculpe, mas não concordo que seja assim tão fora do que está sendo dito. Se comparar com o valor de um quarto e sala no centro / zona sul, o valor está baixo sim. Com 450.000,00 vc não compra quarto e sala com essa estrutura de lazer em nenhum ponto da região.
      Quanto à falta de segurança, sabemos que é generalizada, mas tendo uma população maior, é claro que a segurança vai ficar menos pior.
      Seria ótimo ter segurança, bons imóveis e preço barato, mas isso não temos em lugar nenhum. Desejo sucesso e felicidades aos novos moradores.

  2. Lá vão favelizar a zona portuária…

    Não demora muito para o Centro do Rio se tornar um imenso favelão, pois menfigos e cracudos já tem aos montes.

  3. O Centro do Rio está pagando um preço muito Alto pela falta de habitação. Só se pensou em prédios comerciais em décadas, agora as Salas comerciais ficaram cada vez mais vazias com os Home Offices. Se fossem Residências o Centro não ficaria a míngua como está Dá pena de andar por Avenidas como Marechal Floriano e vê a falência em tds os sentidos.

  4. Em plena pandemias mortal, cadê os hospitais de campanha para o povão sofrido? Há lembrei, foram descoberta as corrupções, agora fica difícil roubar…!

  5. O Prefeito Dudu quer criar o vestiário pra celebridades do Carnaval. Não me venham com falácias que é um empreendimento para população trabalhadora e de baixa renda…
    Falem a verdade por favor!!!

  6. Excelente iniciativa, precisamos olhar para o futuro com empreendimentos com empreendimentos habitacionais como esse. O centro do Rio é a melhor opção para o trabalhador que se desloca da periferia todo dis. E residências com toda estrutura! Apenas achei os preços altos já que este condomínio é para a população de renda mais baixa. Então quanto seria um condomínio para pessoas com renda um pouco maior?
    Poderiam ser aproveitados também os diversos prédios públicos não utilizados no centro do Rio para reformar e oferecer como opção de moradia.

  7. Cadê os projetos das torres do Trump? Que por sinal daria um skyline belíssimo! No disso vão fazer outra favela? Pobre “centro” do Rio…

  8. Parabéns ao Brasil. Botar um centro históriCo inteiro abaixo . Onde falta investimento não tem obra. Povo mongolóide q bebê água de esgoto,mas paga 1000 reais de condomínio. Região cercada de traficante e milícia. “Enquanto tiver cavalo são Jorge não anda a pé”.

  9. Oé não tinha dinheiro para manter o hospital de campanha do rio centro que tinha 500 leitos para atender paciência da covid . Agora já tem para fazer moradias na zona portuária?

  10. Oé não tinha dinheiro para manter o hospital de campanha do rio centro que tinha 500 leitos para covid . Agora já tem para fazer moradias na zona portuária?

  11. Finalmente! Desde 2016 com a revitalização que espero um lançamento residencial na região do Porto Maravilha. O Porto precisa de condomínios completos, com estacionamento, área de lazer, piscina, apês com varanda com vista para o Centro e Baía de Guanabara, 2 quartos, sala, banheiro, cozinha, etc. APARTAMENTOS E CONDOMÍNIOS COMPLETOS e não aquela decepção de estúdios minúsculos que foi o lançamento do Skylux da Tegra próximo à Rio Branco. As construtoras tem que parar com essa ideia de lançamentos residenciais no Centro para executivos com studios minúsculos. As pessoas querem morar e viver no Centro em condomínios completos, com estacionamentos, varandas, etc. Sejam condomínios padrão, sejam lançamentos residenciais Minha Casa Minha Vida. As pessoas querem morar próximo às estações de VLT, ao Museu do Amanhã, ao Museu de Arte do Rio, à Praça Mauá, ao Aqua Rio, à Roda Gigante, ao mural do Kobra. Existe esta demanda. Aquela é uma das áreas mais aprazíveis hoje e polo turístico. Falta iniciativa política e investimentos da iniciativa privada (vulgo construtoras) para trazer mais lançamentos residenciais para a região do Porto e central. Será um grande passo para povoar e encher de vida o centro e o Porto. Gosto da Cury, eles estão lançando agora o Alto São Cristóvão do lado da Quinta da Boa Vista, um lindo projeto e condomínio

  12. Espero também por lançamentos residenciais no Porto Maravilha de condomínios completos da Living e da Cyrela, que na minha opinião, fazem condomínios muito bonitos e de infra estrutura completa (área de lazer, paisagismo, varanda, 2 quartos, 2 banheiros, sala, cozinha, piscina, salão de festas, etc).

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui