Patrimônio histórico do Rio, casa do Barão de Mauá, em Santa Teresa, está à venda por R$ 4,2 milhões

Na década de 1940, a pintora Djanira, colocou em funcionamento a Pensão Mauá, onde se hospedaram artistas nacionais e internacionais

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Casa do Barão de Mauá, em Santa Teresa, Centro do Rio / Google Maps

Tombada pelo Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), a histórica casa que pertenceu a Irineu Evangelista de Sousa, o Barão de Mauá, localizada no charmoso bairro de Santa Teresa, no Centro do Rio de Janeiro, está à venda por R$ 4,2 milhões. À frente da negócio encontra-se a Sérgio Castro Imóveis, imobiliária com mais de 70 anos de experiência no mercado de imóveis comerciais.

A casa ainda conta com a sua fachada completamente preservada. As laterais, no entanto, foram descaracterizadas pelas ações dos vários ocupantes do imóvel ao longo do tempo. O local guarda a memória de grandes personagens da história do Rio e do Brasil, tendo no Barão de Mauá, certamente, o seu maior expoente.

Na edificação se hospedaram Manuel Bandeira, Carlos Scliar e Milton Dacosta, entre outros artistas brasileiros e estrangeiros. Na década de 1940, a pintora e artista plástica Djanira, colocou em funcionamento a Pensão Mauá. Anos depois, o local deu espaço a uma escola que atendeu aos estudantes de Santa Teresa.

Em entrevista ao portal G1, o diretor da imobiliária, Cláudio André de Castro, destacou que os imóveis tombados geram desinteresse em muitos compredores por desconhecimento sobre como proceder na hora de reformá-los e dar a eles uma finalidade de uso.

Advertisement

“Não é qualquer comprador que tem interesse em imóvel tombado. Tem gente que acha que imóvel tombado é aporrinhação, pois tem que conseguir adequação junto aos órgãos de patrimônio. As pessoas têm uma noção errada de que sai tudo muito caro e isso afasta muita gente. É importante que o proprietário de um imóvel tombado busque quem tem hábito de negociar este tipo de imóvel”, disse Claudio Andre ao veículo.

Atualmente, segundo o empresário, a casa é de propriedade de uma rede internacional de hotelaria, que havia idealizado uma destinação para a edificação, mas acabou mudando o projeto. A casa tem 600 metros quadrados e quintal instalados em um terreno de 1,5 mil metros quadrados.

A pandemia, de acordo com Cláudio André de Castro, impactou de forma negativa o mercado de imóveis históricos, freando as transações e interesses dos compradores deste tipo de propriedade. Tendência que vem sendo revertida por conta da atuação de profissionais que trabalham com edificações de alto valor imaterial, que despertam o interesse de cariocas e estrangeiros desejosos investir na cidade.

“Geralmente é um comprador que tem um plano de empreendimento para o local ou, como acontece muito em Santa Teresa, os estrangeiros, que investem milhões por ano na região. Chegam, se apaixonam e depois dizem: ‘Quero isso aqui’”, afirmou Castro, destacando que muitos imóveis comprados são reformados  e alugados para empreendimentos comerciais – potencial da casa do Barão de Mauá: “Ela tem uma vocação comercial. Nada impede que ela seja usada para fins residenciais, mas a vocação é mais comercial pelo grande movimento”, finalizou Cláudio André de Castro.

As informações são do G1.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Patrimônio histórico do Rio, casa do Barão de Mauá, em Santa Teresa, está à venda por R$ 4,2 milhões
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui