A ciência da fofoca: entenda por que as pessoas adoram falar dos outros

A razão mais básica é fisiológica: a fofoca traz prazer imediato ao ser humano, sem esforço. Ela gera um pico de dopamina, o neurotransmissor associado ao prazer e à felicidade

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Como especialista em saúde mental e entusiasta das análises de comportamentos humanos, sempre procuro entender o que está por trás de atitudes, expressões e comunicações teoricamente negativas. Recentemente, observei um movimento de fofoca em um grupo de conhecidos e, em vez de intervir, decidi investigar mais sobre o tema. Descobri que existem diversos estudos científicos que explicam por que tantas pessoas gostam de fofocar.

A razão mais básica é fisiológica: a fofoca traz prazer imediato ao ser humano, sem esforço. Ela gera um pico de dopamina, o neurotransmissor associado ao prazer e à felicidade, seguido por uma queda. Isso explica por que a fofoca é tão viciante e facilmente se espalha de pessoa para pessoa.

Um estudo da Universidade de Northeastern, em Boston, liderado pela neurologista Lisa Feldman-Barrett, revelou que nosso subconsciente valoriza a fofoca. A pesquisa mostrou que os participantes prestavam mais atenção a imagens de pessoas associadas a fofocas negativas. Esse comportamento é uma forma de autoproteção: nosso cérebro busca informações que possam nos proteger de indivíduos potencialmente perigosos, mantendo-nos alertas.

Além da explicação fisiológica, há também uma explicação ancestral. A fofoca era um instinto de sobrevivência para nossos ancestrais, ajudando-os a se unir contra inimigos comuns e se proteger em grupos. Teorias sugerem que a prática da fofoca evoluiu após o homem aprender a controlar o fogo. Reunidos ao redor de fogueiras, os primeiros humanos começaram a se comunicar mais livremente, discutindo assuntos menos sérios.

Advertisement

Compreender essas razões nos ajuda a reconhecer a fofoca como um comportamento antigo e enraizado. No entanto, cabe a cada um de nós escolher não praticá-la e saber como reagir quando ela ocorrer ao nosso redor. Sabendo que a fofoca é viciante, a melhor forma de combatê-la é não alimentá-la.

A prática da fofoca também afeta nossa motivação e foco. Fofocar nos faz perder tempo, energia e capital mental, desviando nossa atenção dos próprios problemas. Além disso, falar mal dos outros reduz nossa frequência energética, atraindo negatividade para nossas vidas.

Não se trata de julgar a prática da fofoca, mas de entendê-la melhor e, a partir dessa compreensão, perceber que quem fofoca frequentemente pode não ter autoconsciência do que está fazendo. O maior antídoto contra a fofoca é o autoconhecimento. Quando nos conhecemos bem, não queremos repetir comportamentos nocivos do passado.

Se seu grupo costuma fofocar, talvez seja hora de reavaliar amizades, mudar de ambiente e começar de novo. Relações baseadas na negatividade são tóxicas em qualquer contexto.

Diga não à fofoca e promova um ambiente mais saudável e positivo ao seu redor.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp A ciência da fofoca: entenda por que as pessoas adoram falar dos outros
Avatar photo
Rosane Ventura, especialista em saúde mental, Yoga e Mindfulness, é comprometida em promover bem-estar emocional. Referência em terapias holísticas e práticas ancestrais, fornece orientações para enfrentar desafios do dia a dia e lidera retiros espirituais focados em autoconhecimento.
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui