A Estranha Mania das Abelhas, escritora maranhense homenageia o carioca Lima Barreto

A escritora maranhense se ocupa de alguns temas discutidos por Lima Barreto nos seis contos que compõem o livro

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

E se dona Adelaide, a devota irmã de Policarpo Quaresma, tivesse se casado? E se Ismênia, a resignada vizinha do major, fosse acometida por uma loucura diferente? Essas são as perguntas que a escritora maranhense Rute Ferreira imaginou e escreveu em seu segundo livro, A Estranha Mania das Abelhas, que está em pré-venda no site da editora Urutau.

“Não é uma releitura, é mais uma conversa. É o que poderia ter sido de Olga, de Ismênia, de dona Adelaide. Tomo emprestados os nomes e um pouco de quem elas são para criar assim histórias baseadas em e se?” afirma a autora, que vive em São Luís, Maranhão. Rute tem formação na área de artes e também publicou este ano o livro Eu te serviria meu coração com vinho branco, pela editora Voz de Mulher.

Além dos nomes emprestados, a escritora maranhense se ocupa de alguns temas discutidos por Lima Barreto nos seis contos que compõem o livro.

A crítica literária Márcia Silveira, colunista do Diário do Rio, assina o texto de apresentação do livro, no qual aponta as conexões entre os temas escolhidos pela autora: “Se na época de Policarpo Quaresma, o fim da escravidão era recente, nas páginas do livro de Rute vemos que, apesar de todo o tempo decorrido desde então, o racismo está longe de ser resolvido. O mesmo acontece com as relações de gênero: a sociedade que pressionava uma mulher a se casar a qualquer custo, hoje noticia graves casos de feminicídio”, assinala.

Advertisement

Leia também

Dengue: Ministério da Saúde envia 1º lote de vacinas enquanto RJ intensifica medidas de combate

Dengue: Ministério da Saúde envia 1º lote de vacinas enquanto RJ intensifica medidas de combate

Publicado em 1915, Triste fim de Policarpo Quaresma conta a história de um major patriota, um ‘dom Quixote tupiniquim’ que, apesar dos ideais muito nobres e do bom coração, acaba sendo castigado, de muitas formas, por seu profundo amor ao Brasil. Enquanto discute o patriotismo de Quaresma, Lima Barreto também satiriza costumes sociais, denuncia o racismo e a desigualdade.

É possível reservar o livro no site da editora Urutau, clicando aqui.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp A Estranha Mania das Abelhas, escritora maranhense homenageia o carioca Lima Barreto

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui